Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 18 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

consumo

Edição impressa de 18/11/2019. Alterada em 18/11 às 09h48min

Áreas kids ajudam a turbinar o faturamento

No Dado Bier do Bourbon Country, acesso está incluso no serviço

No Dado Bier do Bourbon Country, acesso está incluso no serviço


/NÍCOLAS CHIDEM/JC
João Pedro Rodrigues
O segmento de espaços destinados às crianças é um negócio que vem crescendo nos últimos anos. Mesmo em momentos de crise econômica, a demanda por áreas kids se manteve em expansão e agora está entre os empreendimentos mais pedidos pelo público infantil e adulto. "Entreter as crianças e proporcionar um momento de tranquilidade é uma das coisas que os pais mais pedem praticamente", afirma Percila Paloma, gerente da Nogueira Brinquedos, fabricante e fornecedora de brinquedos de grande porte para diversos ambientes em todo o País.
O segmento de espaços destinados às crianças é um negócio que vem crescendo nos últimos anos. Mesmo em momentos de crise econômica, a demanda por áreas kids se manteve em expansão e agora está entre os empreendimentos mais pedidos pelo público infantil e adulto. "Entreter as crianças e proporcionar um momento de tranquilidade é uma das coisas que os pais mais pedem praticamente", afirma Percila Paloma, gerente da Nogueira Brinquedos, fabricante e fornecedora de brinquedos de grande porte para diversos ambientes em todo o País.
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
A empresa paulista é um dos exemplos desse crescimento. Segundo a gerente, a companhia obteve um aumento financeiro de 25% a 30% ao ano nos últimos três anos explorando o seu negócio em estabelecimentos como restaurantes, escolas, parques, condomínios, sorveterias e mercados. "Antigamente, eram somente Habbib's e McDonald's que tinham um brinquedo ou outro. Hoje, montamos espaço kids até dentro de salão de cabeleireiro, onde a mãe pode fazer o seu cabelo e ter um lugar para o seu filho ficar em paz", conta Paloma. "Se nós pararmos pra pensar, onde tem criança, tem a necessidade de um espaço infantil".
Ela diz, ainda, que a terceirização dessas áreas é uma alternativa que está sendo adotada, em algumas cidades, por empreendimentos que não querem perder o seu foco principal, como um restaurante que deseja aderir ao espaço kids mas quer permanecer sendo um estabelecimento alimentício. "Isso é uma coisa que está dando muito certo. Eles terceirizam o parque dentro do restaurante para um operador que já é acostumado a atuar nesse segmento".
O valor desses investimentos varia de acordo com o tamanho do ambiente e dos tipos de brinquedos a serem escolhidos. Os preços da Nogueira Brinquedos, por exemplo, podem variar de R$ 15 mil a R$ 100 mil dependendo da área, dos brinquedos, da região e do propósito.
Para os empreendedores que trabalham com o desenvolvimento desses espaços, a expansão do mercado também é notável. Mauro Meinerz, diretor e fundador da Toy Company, companhia que constrói parques e proporciona experiências infantis em shoppings, diz que, hoje, há uma procura desses estabelecimentos para, justamente, transformar esse serviço em um motivo para o destino das pessoas a esses centros comerciais.
De acordo com Meinerz, as suas operações acabam sendo, inclusive, uma solução para outros empreendimentos. "Os pais vão passear, deixam as crianças brincando nas nossas lojas e fazem as suas compras sossegados", explica.
A empresa atende em torno de cem shoppings por ano, gerando um impacto em mais de 10 milhões de pessoas por mês. "Para o ano que vem, nós planejamos crescer 30% nossas operações", projeta.

Espaços são atrativos em restaurantes da Capital

Em Porto Alegre, o Coco Bambu é um dos estabelecimentos que está investindo na área kids. Apesar da empresa já possuir esse tipo de ambiente em suas franquias pelo Brasil, na cidade será o primeiro. O responsável pelo projeto, Marcelo Rocha, acredita que esse investimento traz conforto para os clientes e, consequentemente, acaba sendo um diferencial para a rede. "Nós sentimos a necessidade também, porque o nosso público alvo são muitos grupos de famílias e de amigos que vêm comemorar os aniversários". Ele diz que a expectativa é de que, até o fim de fevereiro, a brinquedoteca tenha sido implementada.

 Assim como o Coco Bambu, os restaurantes da marca Dado também são conhecidos por possuírem uma área infantil. O Dado Kids, localizado nos estabelecimentos dos shoppings Bourbon Country e Praia de Belas, acaba sendo um pretexto para o deslocamento de parte do público ao local, principalmente nos finais de semana, em que há maior movimento. "Durante a semana é tranquilo, a não ser quando tem algum evento no shopping", diz Leandro Balduino, supervisor de atendimento do Dado Bier do Bourbon Country. O acesso à área não é pago, já que está incluso no serviço do restaurante.

 Quem também percebe um maior volume de pessoas entre sexta, sábado e domingo é Michele Choaire, gerente de marketing da companhia. Segundo ela, o público que usufrui do espaço infantil é bem variado, com diferentes faixas etárias e segmentos econômicos. As crianças, normalmente, estão na faixa dos 2 aos 6 anos. "Após isso observamos que elas estão mais integradas aos hábitos dos adultos", acrescenta.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia