Porto Alegre, sexta-feira, 24 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 24 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Trabalho

- Publicada em 08h59min, 31/10/2019. Atualizada em 03h00min, 31/10/2019.

Cai a desigualdade de renda entre homens e mulheres

Mulheres com curso Superior completo ganhavam 34,6% menos

Mulheres com curso Superior completo ganhavam 34,6% menos


/MIMI THIAN/UNSPLASH/DIVULGAÇÃO/CIDADES
Embora ainda com percentuais altos, a desigualdade nos rendimentos recebidos por homens e mulheres apresentou queda, segundo constatou o Boletim do Trabalho elaborado pelo Departamento de Economia e Estatística (DEE), vinculado à Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag). A maior diferença está justamente nos níveis mais elevados de escolaridade. Homens com Ensino Superior completo recebiam, no 2º trimestre de 2019, 34,6% mais do que as mulheres com o mesmo grau de instrução. O percentual é menor do que o registrado no 2º trimestre de 2012, mas está maior do que a mínima histórica, registrada no 2º trimestre de 2015, quando a diferença chegou a 30,5%.
Embora ainda com percentuais altos, a desigualdade nos rendimentos recebidos por homens e mulheres apresentou queda, segundo constatou o Boletim do Trabalho elaborado pelo Departamento de Economia e Estatística (DEE), vinculado à Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag). A maior diferença está justamente nos níveis mais elevados de escolaridade. Homens com Ensino Superior completo recebiam, no 2º trimestre de 2019, 34,6% mais do que as mulheres com o mesmo grau de instrução. O percentual é menor do que o registrado no 2º trimestre de 2012, mas está maior do que a mínima histórica, registrada no 2º trimestre de 2015, quando a diferença chegou a 30,5%.
A menor diferença nos rendimentos se encontra no segmento com Ensino Médio incompleto, onde homens ganham 17% a mais do que as mulheres com o mesmo grau de instrução. O percentual aponta queda quando comparado com o início da série em 2012, quando a diferença era de 29,8%. No segmento com Ensino Médio, o mais representativo entre a população ocupada, as mulheres recebem 25,2% a menos do que os homens, também abaixo do registrado no 2º trimestre de 2012, quando a diferença era de 33,6%.
"A redução na diferença dos rendimentos entre homens e mulheres é uma constatação positiva, mas os dados apontam um percentual ainda alto de desigualdade, que devem ser analisados com atenção para a elaboração de ações para atacar este problema", avalia a coordenadora da Divisão de Pesquisa Econômica Aplicada do DEE, Daiane Menezes. Considerando o período entre 2006 e 2018, avaliado na Relação Anual de Informações Sociais (Rais), o percentual de empregados formais no Rio Grande do Sul que não havia completado o Ensino Fundamental era de 22,7% em 2006, caindo para 11,7% em 2018. Entre a população com Ensino Superior completo, o percentual subiu de 14,1% para 21,1%.
A redução na diferença do que é pago para homens e mulheres com o mesmo grau de instrução são algumas das conclusões do Boletim de Trabalho, divulgado nessa quarta-feira pelo Departamento de Economia e Estatística (DEE), vinculado à Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag). A primeira edição do boletim visa avaliar a forma como o período de baixo ritmo de crescimento econômico e de recessão da economia (entre 2014 e 2016), seguido do processo de lenta recuperação, impactou na força de trabalho nos diferentes níveis de escolaridade. O documento, produzido com foco no Rio Grande do Sul a partir dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), dá sequência às divulgações de pesquisas realizadas pelo DEE, que nas últimas semanas incluíram o Boletim de Conjuntura e os dados do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado.
"É uma base importante para sabermos para onde caminhamos e também uma orientação aos agentes econômicos nas suas decisões", ressalta o secretário adjunto de Planejamento e Orçamento da Seplag, Gilberto Pompilio de Melo Filho. Entre o 2º trimestre de 2012 e o 2º trimestre de 2019, o boletim aponta aumento no peso relativo dos segmentos mais escolarizados em ambos os sexos na composição da força de trabalho. As mulheres com Ensino Superior completo tiveram avanço no total da força de trabalho feminina de 17,4% para 23,2%. Entre os homens, a expansão passou de 8,9% para 14,4% do total.
No período analisado, o segmento com Ensino Médio completo era o mais representativo da força de trabalho, tanto entre homens (30,8% do total) como entre mulheres (32,1%). Esse dado mostra um avanço na comparação com o 2º trimestre de 2012, quando a população com Ensino Fundamental incompleto era a que tinha maior peso. Quanto ao nível de instrução da população ocupada (mercado formal ou informal), em sete anos também houve aumento dos segmentos mais escolarizados. Entre as mulheres, o peso do subgrupo com Ensino Superior completo avançou de 17,8% no 2º trimestre de 2012 para 24,8% no 2º trimestre de 2019. No caso de homens, passou de 9,1% para 15%.

No campo, 41,2% não têm Ensino Fundamental

Percentual fica bem acima da construção civil, a segunda colocada
Percentual fica bem acima da construção civil, a segunda colocada
/CLAUDIO FACHEL/ARQUIVO/JC

Entre os setores econômicos, o perfil da força de trabalho também se diferencia. Em 2018, a agropecuária concentrava 41,2% dos seus trabalhadores sem Ensino Fundamental completo, percentual muito acima do segundo colocado no ranking, a construção civil, que conta com 23% dos empregados formais com este nível de instrução.

Em 2018, os setores de comércio e serviços concentraram, por sua vez, os maiores percentuais de trabalhadores com Ensino Médio completo (64,4% e 52,1%, respectivamente), uma alta em comparação a 2006, quando a população com este grau de instrução concentrava 48,9% e 40,0% dos trabalhadores formais.

Entre os homens e mulheres com Ensino Superior, a administração pública é o destaque. Em 2018, este setor concentrava 58,2% dos trabalhadores com esta instrução, ante 31,1% do registrado em 2006. Quanto à geração total de empregos, de acordo com o Caged, nos últimos 12 meses, entre outubro de 2018 e setembro de 2019, o Rio Grande do Sul registrou a criação de 15.563 vagas, com destaque para o setor de serviços e comércio, cujo grau de instrução dos trabalhadores contratados é predominantemente o Ensino Médio completo. A próxima edição do Boletim de Trabalho do DEE será lançada em dezembro, após a divulgação dos dados da Pnad.

Comentários CORRIGIR TEXTO