Porto Alegre, sábado, 25 de julho de 2020.
Dia do Escritor. Dia do Motorista .

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 25 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Política Monetária

- Publicada em 03h07min, 29/10/2019. Atualizada em 03h00min, 29/10/2019.

Focus prevê corte de 0,50 ponto percentual na Selic

Os economistas do mercado financeiro projetam corte de 0,50 ponto percentual da Selic (a taxa básica de juros) nesta semana, no encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) agendado para terça-feira (29) e quarta-feira (30). Depois, o colegiado promoveria novo recuo de 0,50 ponto percentual, em dezembro. Com isso, a taxa, atualmente em 5,50% ao ano, atingiria piso histórico de 4,50% ao ano.
Os economistas do mercado financeiro projetam corte de 0,50 ponto percentual da Selic (a taxa básica de juros) nesta semana, no encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) agendado para terça-feira (29) e quarta-feira (30). Depois, o colegiado promoveria novo recuo de 0,50 ponto percentual, em dezembro. Com isso, a taxa, atualmente em 5,50% ao ano, atingiria piso histórico de 4,50% ao ano.
Pelas projeções do relatório Focus, do BC, atualizado nesta segunda-feira (28), a Selic permaneceria em 4,50% ao ano de dezembro de 2019 a fevereiro de 2021, quando a taxa básica passaria por elevação de 0,25 ponto percentual, para 4,75% ao ano.
Em setembro, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC cortou a Selic em 0,50 ponto percentual, de 6,00% para 5,50% ao ano. Foi o segundo declínio consecutivo da taxa básica. No comunicado sobre a decisão, o BC avaliou que o cenário externo, apesar de incerto, está favorável para países emergentes.
A projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA - a inflação oficial do país) subiu de 3,26% para 3,29%. Para 2020, a estimativa de inflação caiu de 3,66% para 3,60%, na quinta redução seguida. A previsão para os anos seguintes não teve alterações: 3,75% em 2021, e 3,50% em 2022.
Em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) - a soma de todos os bens e serviços produzidos no país - a projeção de alta subiu de 0,88% para 0,91%. As estimativas para os anos seguintes não foram alteradas: 2% em 2020; e 2,50% em 2021 e 2022.
Comentários CORRIGIR TEXTO