Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 28 de outubro de 2019.
Dia do Funcionário Público. Dia de São Judas Tadeu.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 28/10 às 17h47min

Bolsas de Nova Iorque sobem e S&P 500 renova recorde com comércio, Brexit e balanços

O Nasdaq terminou abaixo da maior pontuação de sua história, mas no maior nível desde 26 de julho.

O Nasdaq terminou abaixo da maior pontuação de sua história, mas no maior nível desde 26 de julho.


Drew Angerer/Getty Images/AFP/JC
As bolsas de Nova Iorque fecharam em alta o pregão desta segunda-feira (28) e o S&P 500 renovou máximas históricas, tanto intraday quanto no fechamento, com os principais índices impulsionados por menores preocupações com a guerra comercial e outros focos de atenção geopolíticos, como Brexit.
As bolsas de Nova Iorque fecharam em alta o pregão desta segunda-feira (28) e o S&P 500 renovou máximas históricas, tanto intraday quanto no fechamento, com os principais índices impulsionados por menores preocupações com a guerra comercial e outros focos de atenção geopolíticos, como Brexit.
O S&P 500 fechou em alta de 0,56%, a 3.039,42 pontos, acima da máxima histórica mais recente, registrada em 26 de julho. O Nasdaq, que se encaminhava para um novo recorde, terminou abaixo da maior pontuação de sua história, mas no maior nível desde 26 de julho. O índice subiu 1,01%, a 8.325,99 pontos. O Dow Jones avançou 0,49%, a 27.090,72 pontos.
No início de uma semana importante no exterior, que traz a decisão do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) e o Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA na quarta-feira, além do relatório de empregos (payroll) na sexta-feira, o comércio foi o driver para o apetite por risco.
Na última semana, Washington anunciou avanços rumo à sinalização de seções do acordo de "fase 1" com Pequim e, nesta segunda, Trump reiterou que a assinatura poderia ocorrer na APEC Chile 2019, entre 16 e 17 de novembro. A redução de riscos geopolíticos foi sinalizada também pelo adiamento da data do Brexit, que aconteceria nesta quinta-feira (31), para janeiro.
Além do comércio, há expectativa de afrouxamento monetário do Fed na quarta-feira, que permitiu que os subíndices de tecnologia e de serviços de comunicação do S&P 500 liderassem a alta (+1,26% a 1,17%, respectivamente).
A LPL Financial lembra, ainda, que a temporada de balanços tem mérito nos avanços das bolsas. O destaque foi a surpresa com AT&T (+0,10%), que chegou a subir mais de 4%, mas a consultoria especializada em ações aponta que os resultados de forma geral, embora modestos, estão acima das expectativas. Até o momento, 200 das empresas do S&P 500 divulgaram balanços e quase 80% superaram as projeções. "Mesmo em meio à incerteza comercial, vemos crescimento contínuo para a economia americana em 2020 e além", diz o estrategista de ações da LPL, Jeffrey Buchbinder.
Para a BlackRock, maior gestora de ativos do mundo, as bolsas poderiam avançar ainda mais, já que o atual momento do ciclo não parece o fim da expansão econômica ou dos ganhos de capital. Isso porque o fim de um ciclo econômico é normalmente marcado pelo aumento de preços de commodities, salários em rápido crescimento e alta de juros para evitar superaquecimento. "Hoje nada disso é evidente. De fato, é exatamente o oposto. Um resultado potencial é uma continuação do crescimento lento e um mercado de ações que pode crescer mais", destaca o diretor administrativo do BlackRock, Tony DeSpirito.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia