Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 24 de outubro de 2019.
Dia das Nações Unidas - ONU.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

24/10/2019 - 14h52min. Alterada em 24/10 às 14h52min

Bolsas da Europa fecham em alta, com foco em balanços, comércio e Brexit

Banco Central Europeu (BCE) reafirmou seu compromisso em apoiar a economia e a inflação

Banco Central Europeu (BCE) reafirmou seu compromisso em apoiar a economia e a inflação


NELSON ALMEIDA/AFP/JC
As bolsas europeias fecharam em território positivo, nesta quinta-feira (24). Balanços corporativos concentraram parte da atenção dos investidores, mas eles também monitoraram o quadro no comércio global e o processo de saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit, bem como a decisão do Banco Central Europeu (BCE).
As bolsas europeias fecharam em território positivo, nesta quinta-feira (24). Balanços corporativos concentraram parte da atenção dos investidores, mas eles também monitoraram o quadro no comércio global e o processo de saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit, bem como a decisão do Banco Central Europeu (BCE).
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,59%, em 397,37 pontos.
Na agenda de indicadores, os números do índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) preliminares da zona do euro e da Alemanha para outubro apontaram cenário fraco, com a economia da região "perigosamente perto da estagnação", segundo a Oxford Economics. Nesse quadro, o Banco Central Europeu (BCE) reafirmou seu compromisso em apoiar a economia e a inflação, mas sem grandes novidades na decisão, a última sob o comando de Mario Draghi, que será substituído por Christine Lagarde.
Na frente comercial, a agência Bloomberg informou que a China vai comprar ao menos US$ 20 bilhões em produtos agrícolas dos EUA em um ano, citando fontes ligadas ao assunto.
No setor corporativo, a ação da Daimler subiu 3,25%, após seus resultados trimestrais superarem a previsão dos analistas. Basf ganhou 3,38%, após balanço que agradou, já que também superou a expectativa do mercado, mesmo com queda no lucro líquido. Na bolsa de Frankfurt, o índice DAX fechou em alta de 0,58%, em 12.872,10 pontos.
Em Londres, o índice FTSE-100 fechou com ganho de 0,93%, em 7.328,25 pontos. M&G foi destaque, em alta de 6,1%, e AstraZeneca ganhou 5,55%, após balanço que agradou, com números positivos em seus negócios na China. O Brexit seguiu no radar, mas apenas após o fechamento local o premiê Boris Johnson propôs que fosse realizada uma eleição antecipada no país em 12 de dezembro.
Na bolsa de Paris, o índice CAC-40 subiu 0,55%, a 5.684,33 pontos. STMicroelectronics se destacou entre as mais negociadas, em alta de 8,30%, mas Crédit Agricole recuou 0,04% e Société Générale cedeu 1,15%, entre os bancos. Carrefour recuou 0,70%.
Em Milão, o índice FTSE-MIB avançou 0,79%, a 22.527,42 pontos. Intesa Sanpaolo subiu 0,04%, mas BPM recuou 1,94% e UniCredit cedeu 0,46%, entre os bancos italianos. A petroleira ENI subiu 0,47%.
Na bolsa de Madri, o IBEX-35 avançou 0,07%, a 9.391,80 pontos. Santander cedeu 0,93%, mas Iberdrola avançou 0,79%. Em Lisboa, o índice PSI-20 fechou com ganho de 0,48%, em 5.082,04 pontos, com Banco Comercial Português em alta de 0,84%. /Com informações da Dow Jones Newswires
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia