Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 18 de outubro de 2019.
Dia do Médico.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

trabalho

18/10/2019 - 14h59min. Alterada em 18/10 às 15h45min

Até agora, mais de 80% do emprego vieram de pequenas empresas, diz secretário

Para secretário, o Brasil vive uma "revolução silenciosa" com esses empreendimentos

Para secretário, o Brasil vive uma "revolução silenciosa" com esses empreendimentos


CLAITON DORNELLES /JC
O secretário especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, disse nesta sexta-feira (18) que mais de 80% do número de empregos gerados até agora em 2019 vieram de pequenas empresas, tanto nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), quanto no levantamento da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua.
O secretário especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, disse nesta sexta-feira (18) que mais de 80% do número de empregos gerados até agora em 2019 vieram de pequenas empresas, tanto nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), quanto no levantamento da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua.
"Pequenas empresas vão ser o grande vetor de crescimento nos próximos anos", disse o secretário, durante evento de divulgação do Ranking de Competitividade dos Estados, elaborado pelo Centro de Liderança Pública (CLP), na B3, em São Paulo.
Para ele, o Brasil vive uma "revolução silenciosa" com esses empreendimentos.
"Nós tivemos muito sucesso nos últimos em aumentar o número de pequenas empresas no Brasil. No entanto, a produtividade é muito baixa", disse Costa, emendando que uma das prioridades da Secretaria Especial de Produtividade e Competitividade é tornar as pequenas empresas mais produtivas e competitivas.
Costa afirmou, ainda, que "alguns trabalhadores por conta própria são parte da nova economia", citando motoristas de Uber e faxineiras que trabalham por aplicativo. "É uma nova relação de trabalho, e é um emprego da melhor qualidade, porque é a pessoa sendo empresária de si mesma", completou o secretário.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia