Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 15 de outubro de 2019.
Dia do Professor.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 15/10/2019.
Alterada em 15/10 às 15h07min
COMENTAR | CORRIGIR

Sicredi prepara novas soluções digitais para 2020

QG foi instalado no Tecnopuc, e nova plataforma de serviços permitirá conexão direta com startups

QG foi instalado no Tecnopuc, e nova plataforma de serviços permitirá conexão direta com startups


MARCO ANTÔNIO SILVA/DIVULGAÇÃO/JC
Cento e noventa pessoas trabalham diariamente focadas no desenvolvimento da plataforma que suportará o crescimento do Sicredi nos próximos anos. O QG para pensar e criar o futuro foi montado no Tecnopuc, um dos mais importantes parques científicos e tecnológicos do País, com sede em Porto Alegre. A virada definitiva de chave do sistema atual para esse mais moderno, capaz de facilitar, por exemplo, a conexão direta com as startups, acontecerá em 2023. Mas os resultados positivos desse projeto, que receberá investimentos na ordem de R$ 700 milhões, já estão sendo sentidos, tanto no aumento da agilidade e da simplicidade nos processos como nas novas soluções, que já começam a ser lançadas. "Estamos no meio da transformação digital, mas ela está viva no Sicredi, pois já estamos usufruindo das modernizações feitas", aponta o vice-presidente da Central Sicredi Sul/Sudeste, Márcio Port.
Cento e noventa pessoas trabalham diariamente focadas no desenvolvimento da plataforma que suportará o crescimento do Sicredi nos próximos anos. O QG para pensar e criar o futuro foi montado no Tecnopuc, um dos mais importantes parques científicos e tecnológicos do País, com sede em Porto Alegre. A virada definitiva de chave do sistema atual para esse mais moderno, capaz de facilitar, por exemplo, a conexão direta com as startups, acontecerá em 2023. Mas os resultados positivos desse projeto, que receberá investimentos na ordem de R$ 700 milhões, já estão sendo sentidos, tanto no aumento da agilidade e da simplicidade nos processos como nas novas soluções, que já começam a ser lançadas. "Estamos no meio da transformação digital, mas ela está viva no Sicredi, pois já estamos usufruindo das modernizações feitas", aponta o vice-presidente da Central Sicredi Sul/Sudeste, Márcio Port.
Jornal do Comércio - Como a operação em um parque tecnológico acelera a transformação pela qual o Sicredi vem passando?
Márcio Port - A transformação digital não é só programar um novo sistema, mas estabelecer uma mentalidade diferente, um mindset inovador. Por isso, escolhemos iniciar a operação no Tecnopuc. Lá estão apenas os profissionais que estão trabalhando no desenvolvimento da nova plataforma do Sicredi. Começamos do zero, criando o chassi que será o suporte para sustentar os produtos e programas que criaremos a partir de agora. Usamos metodologias ágeis como forma de pensarmos de maneira mais rápida e simples os projetos, e essa visão se espalhou para outras áreas do nosso negócio. A transformação digital começou no Tecnopuc, mas está muito presente em toda empresa. 
JC - Como foi a decisão de investir nessa mudança da plataforma core da operação?
Port - A decisão de substituir o core bancário do Sicredi, todo sistema que dá suporte aos nossos negócios, foi tomada entre 2015 e 2016. Na época, estudamos as alternativas e optamos por construir uma plataforma mais moderna e fazer a migração aos poucos. Também decidimos montar uma estrutura apartada da que existia até então, como forma de começar essa transformação. O novo sistema será o responsável por sustentar operações como aplicações, seguros, cartões, consórcios, entre outras. A estimativa é que os investimentos cheguem a R$ 700 milhões em todo o projeto. Essa é a tecnologia que irá apoiar o crescimento do Sicredi nos próximos anos. 
JC - Em que fase está essa transformação?
Port - Estamos no meio da transformação digital, mas ela está viva no Sicredi, pois já estamos usufruindo das modernizações feitas. Um dos primeiros resultados disso é o Woop, plataforma digital do Sicredi. Hoje, as pessoas podem entrar na App Store ou no Google Play, baixar esse aplicativo e fazer tudo que é necessário para abrir uma conta, como scanear documentos e tirar fotos. Não é preciso mais ir a uma agência do Sicredi para se associar, o que ajudou muito na aproximação com as regiões em que ainda não estamos presentes. O ano de 2020 é bem importante, porque é quando começaremos a tangibilizar a entrada da nova plataforma, avançando com o lançamento de novas soluções. Vamos implantar em todas as cooperativas do País, e a migração vai acontecer gradativamente. O associado (cerca de 4 milhões) possivelmente nem vai perceber quando for desligada a chave da plataforma anterior e ligada a da nova, mas vai sentir a melhoria em usabilidade e velocidade. A perspectiva é que a nova plataforma esteja concluída em 2023.
JC - Como a nova plataforma está aproximando o Sicredi das startups?
Port - Quando a plataforma atual foi criada, não existiam startups nem essa lógica dos aplicativos, então o sistema conversa pouco com essas novas funcionalidades e facilidades de hoje. Já com a nova estrutura, se o Sicredi encontrar uma startup que criou uma solução que faça muito bem à cotação de seguros, poderá facilmente plugá-la, sem precisar desenvolver. Isso vai reduzir muito o custo de oferta de novos produtos e serviços pela empresa.
JC - O Sicredi sempre desenvolveu internamente os seus produtos e sistemas tecnológicos. O que levou a essa mudança?
Port - De fato, sempre desenvolvemos dentro de casa tudo que usamos de tecnologia. Mas, hoje em dia, quando se fala em inovação e transformação digital, o maior paradigma a ser quebrado é, justamente, que não precisamos ser donos da nossa tecnologia. Durante um tempo, dominar a tecnologia era quase um segredo de mercado para muitas empresas. Isso virou commoditie. O nosso foco tem que estar no nosso negócio, e não na tecnologia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Patrícia Knebel
Patrícia Knebel
Ecossistemas de inovação, tendências globais para os negócios, marketing digital, as tecnologias que são os pilares da transformação digital (como mobilidade, Internet das Coisas e Big Data) e todas as novidades que impactam o comportamento dos consumidores e o futuro das empresas e das cidades estão na coluna Mercado Digital. Estou feliz por você estar aqui.