Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 10 de outubro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

10/10/2019 - 08h14min. Alterada em 10/10 às 08h19min

Bolsas asiáticas sobem após relato sobre concessões dos EUA à chinesa Huawei

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta nesta quinta-feira (10), recuperando-se de perdas de mais cedo, com investidores monitorando atentamente os desdobramentos da disputa comercial entre Estados Unidos e China antes da retomada de negociações entre as duas maiores potências econômicas globais.
As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta nesta quinta-feira (10), recuperando-se de perdas de mais cedo, com investidores monitorando atentamente os desdobramentos da disputa comercial entre Estados Unidos e China antes da retomada de negociações entre as duas maiores potências econômicas globais.
Nos mercados chineses, o índice Xangai Composto subiu 0,78%, a 2.947,71 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 1,41%, a 1.631,84 pontos.
As discussões comerciais de alto escalão entre EUA e China, que serão retomadas nesta quinta em Washington, foram precedidas de uma série de relatos conflitantes nos últimos dias. A notícia mais recente, que envolve a gigante tecnológica chinesa Huawei, ajudou a dar o tom positivo aos mercados asiáticos.
Segundo fonte ouvida pela Dow Jones Newswires, a Casa Branca concedeu licenças especiais que autorizam algumas empresas americanas a fazer negócios com a Huawei, que tem se destacado como um dos principais pontos de divergência na rixa comercial sino-americana. A iniciativa provavelmente será vista como um ato de boa vontade antes que americanos e chineses voltem à mesa de negociações.
Antes disso, porém, o South China Morning Post relatou que os dois lados não fizeram progresso esta semana em discussões que envolveram autoridades de baixo escalão. A publicação chinesa disse ainda que as negociações de alto escalão seriam encurtadas para apenas um dia, em vez dos dois dias previstos, e que a delegação da China, liderada pelo vice-primeiro-ministro Liu He, voltaria nesta quinta mesmo para casa, e não apenas amanhã.
Em resposta, a Casa Branca disse à CNBC que a reportagem do jornal chinês sobre a falta de progresso é "imprecisa" e que o governo americano não está ciente de mudanças no cronograma de viagem de Liu He.
Além disso, a Bloomberg noticiou que o governo dos EUA está estudando implementar um pacto cambial acertado anteriormente com a China para garantir um acordo comercial parcial que também levaria à suspensão de um aumento de tarifas americanas sobre bens chineses, programado para o próximo dia 15.
Em outras partes da Ásia, o índice japonês Nikkei subiu 0,45% em Tóquio, a 21.551,98 pontos, e o Hang Seng teve leve alta de 0,10% em Hong Kong, a 25.707,93 pontos, mas o sul-coreano Kospi foi exceção, voltando de um feriado com queda de 0,88% em Seul, a 2.028,15 pontos. Em Taiwan, não houve pregão hoje por causa de um feriado local.
Na Oceania, a bolsa australiana ficou praticamente estável, e o S&P/ASX 200 terminou o dia com ganho marginal de 0,01%, a 6.547,10 pontos.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia