Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 09 de outubro de 2019.
Dia Mundial dos Correios.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

09/10/2019 - 12h30min. Alterada em 09/10 às 12h30min

Ibovespa opera em alta com noticiário positivo; ações de alimentos limitam ganhos

O Índice Bovespa inicia a quarta-feira (9) em alta, em sintonia com o sinal positivo das bolsas europeias e dos índices futuros de Nova Iorque. Os sinais de boa vontade da China em estabelecer um acordo parcial com os Estados Unidos favorecem o apetite por risco no exterior.
O Índice Bovespa inicia a quarta-feira (9) em alta, em sintonia com o sinal positivo das bolsas europeias e dos índices futuros de Nova Iorque. Os sinais de boa vontade da China em estabelecer um acordo parcial com os Estados Unidos favorecem o apetite por risco no exterior.
Às 12h20min, o Ibovespa tinha 100.451 pontos, com ganho de 0,47%. Petrobras ON e PN subiam 0,74% e 0,65%, respectivamente.
Por aqui, a alta é reforçada pela expectativa de destravamento da reforma da Previdência no Senado, depois do entendimento fechado na terça-feira sobre a partilha dos recursos dos leilões da cessão onerosa entre Estados e municípios.
As ações da Petrobras estão entre os destaques positivos do dia, não apenas pelo noticiário local, mas também sob influência da alta dos preços do petróleo no mercado internacional.
Por outro lado, os papéis da JBS têm queda expressiva, em reflexo do questionamento das aquisições da empresa nos Estados Unidos feito por senadores do país.
Já JBS ON recuava 3,59% e liderava as perdas do índice. Os papéis também contaminavam as ações de suas concorrentes. BRF ON perdia 1,26% e Marfrig ON, 2,44%.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia