Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 09 de outubro de 2019.
Dia Mundial dos Correios.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR
Edição impressa de 09/10/2019. Alterada em 09/10 às 03h00min

Caixa reduz taxas do crédito imobiliário

Pedro Guimarães diz que banco acompanha redução da Selic

Pedro Guimarães diz que banco acompanha redução da Selic


MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL/JC

A Caixa Econômica Federal anunciou, ontem, que vai reduzir os juros nas linhas de crédito imobiliário que utilizam recursos da poupança. O corte, porém, não será estendido, pelo menos nos próximos seis meses, aos empréstimos corrigidos pela inflação, modalidade lançada em agosto pelo banco público.

As reduções de taxas ocorrem tanto no Sistema Financeiro de Habitação (SFH), para imóveis até R$ 1,5 milhão e que permite o uso do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), quanto no Sistema Financeiro Imobiliário (SFI), para aqueles acima desse valor e sem a possibilidade de uso do fundo. A taxa mínima caiu de 8,5% para 7,5%, além da TR (Taxa Referencial). A máxima saiu de 9,75% para 9,5%.

Os juros menores são oferecidos a clientes que têm relacionamento mais próximo ao banco, como aplicações ou conta salário. "Primeiro fizemos uma redução implícita via linha do IPCA, e, agora, estamos fazendo uma redução explícita na linha da TR, para ser compatível com a redução consistente de juros realizada pelo Banco Central", afirmou o presidente da Caixa, Pedro Guimarães.

"Nós reagiremos a quaisquer movimentos de redução das taxas de juros pelo Banco Central. Se o Banco Central continuar reduzindo juros, seguiremos essa redução", complementou ele.

Na linha corrigida pelo IPCA, as taxas foram mantidas. O juro mais baixo, oferecido também a clientes do setor público e com maior relacionamento com o banco, é de IPCA mais 2,95% ao ano. Para o setor privado, a taxa parte de 3,25% ao ano mais IPCA. Nos dois casos, a taxa máxima foi mantida em IPCA mais 4,95% ao ano - oferecida a quem não tem relacionamento com o banco.

Guimarães descartou fazer qualquer redução nessa linha nos próximos seis meses. Segundo ele, o crédito é muito novo e, em 45 dias, o banco já alcançou a meta que tinha estabelecido para um ano, de R$ 2 bilhões.

"Efetivamente, estamos, agora, em uma nova discussão, de securitização. Nesse momento, queremos testar o que conversamos sobre vender esse crédito. Já existe uma demanda muito grande, mas, como banco da matemática, fazemos um passo depois do outro", disse. "Mesmo que haja uma redução de taxa de juros, não pretendemos reduzir a linha do IPCA pelos próximos seis meses, pelo menos, até testarmos a securitização."

O presidente da Caixa afirmou que qualquer redução de juros potencialmente ocorrerá na linha da TR. "Já temos uma linha com redução muito grande, muito menor do que qualquer linha de TR no mercado, 30% menor. Esse não é o foco."

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia