Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 07 de outubro de 2019.
Dia do Compositor.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Comércio exterior

07/10/2019 - 15h58min. Alterada em 07/10 às 16h15min

EUA compram mais calçados do Brasil em meio à guerra comercial com a China

Enquanto o destino dos EUA deslancha, as vendas totais em setembro tiveram queda de 12,8%

Enquanto o destino dos EUA deslancha, as vendas totais em setembro tiveram queda de 12,8%


BIBI CALÇADOS/DIVULGAÇÃO/JC
Os Estados Unidos mantiveram a escalada de compras de calçados brasileiros em setembro. Dados divulgados pela Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), nesta segunda-feira (7), indicam que o país comprou quase 1 milhão de pares em setembro, gerando divisas de US$ 14,24 milhões - a maior do mês, graças à alta de 122% em volume e 68% em receita ante o mesmo mês de 2018.
Os Estados Unidos mantiveram a escalada de compras de calçados brasileiros em setembro. Dados divulgados pela Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), nesta segunda-feira (7), indicam que o país comprou quase 1 milhão de pares em setembro, gerando divisas de US$ 14,24 milhões - a maior do mês, graças à alta de 122% em volume e 68% em receita ante o mesmo mês de 2018.
Desde janeiro, os embarques para os EUA já somam 8,9 milhões de pares, com divisas de US$ 150,23 milhões. O volume aumentou 38,4%, quase o mesmo desempenho em receita, que cresceu 38,1% em nove meses frente ao mesmo período do ano passado. As vendas para o mercado norte-americano turbinaram as divisas do Rio Grande do Sul, que lidera os embarques do Brasil. As exportações gaúchas totais somaram 22,6 milhões de pares por US$ 332,97 milhões, alta de 13,7% em volume e de 4,5% em receita.
Em nota, o presidente-executivo da associação, Haroldo Ferreira, encarou como efeito da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China. “O fato faz com que os importadores norte-americanos busquem calçados fora da China, o que acaba nos beneficiando em um primeiro momento”, associa Ferreira.
Enquanto o destino da América do Norte deslancha, o saldo geral de vendas em setembro teve queda de 12,8% em volume, somando envio de 8,6 milhões de pares. A receita foi de US$ 73,47 milhões, alta de 2,5%. De janeiro a setembro, os calçadistas exportaram 83,3 milhões de pares, com valor de US$ 718,1 milhões - o volume cresceu 5,6% e a receita, 2,6%.
O segundo destino do calçado do Brasil foi a Argentina, que importou 1,25 milhão de pares, volume maior que o dos EUA, mas com divisa menor, somando US$ 11,38 milhões. O vizinho registrou alta de 12% em volume e queda de 1,7% em dólares. Em nove meses, os argentinos compraram 7 milhões de pares por US$ 77,14 milhões, queda de 25,5% (volume) e 32,9% em valores.
A França foi o terceiro destino, comprando 385,17 mil pares por US$ 2,62 milhões, queda de 70,4% (volume) e de 22,3% (receita). Desde janeiro, os franceses importaram 5,32 milhões de pares, por US$ 42,23 milhões, alta de 0,4% em volume e queda de 2,6% em valores.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia