Porto Alegre, sábado, 25 de julho de 2020.
Dia do Escritor. Dia do Motorista .

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 25 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Agronegócios

- Publicada em 03h08min, 27/09/2019. Atualizada em 03h00min, 27/09/2019.

China comprará soja e carne de porco dos EUA

O Ministério de Comércio da China disse nesta quinta-feira (26) que empresas locais concordaram em comprar "grandes volumes" de soja e de carne de porco dos Estados Unidos, antes de autoridades de alto escalão dos dois países retomarem negociações comerciais em Washington no próximo mês.
O Ministério de Comércio da China disse nesta quinta-feira (26) que empresas locais concordaram em comprar "grandes volumes" de soja e de carne de porco dos Estados Unidos, antes de autoridades de alto escalão dos dois países retomarem negociações comerciais em Washington no próximo mês.
Empresas chinesas vêm fazendo consultas sobre os preços de produtos agrícolas dos EUA, afirmou o porta-voz do ministério, Gao Feng. Ele não especificou quantidades ou valores das compras. Recentemente, a China anunciou que iria isentar importações de soja, de carne de porco e de outros produtos agrícolas americanos de tarifas retaliatórias. Segundo Gao, funcionários dos governos de ambos os países estão mantendo contato próximo para discutir detalhes das discussões comerciais previstas para ocorrer em Washington em outubro.
Nos 12 meses até julho, as exportações agrícolas dos EUA para a China diminuíram quase US$ 10 bilhões em relação ao mesmo período de um ano antes, representando uma queda de mais de 50%. Apenas as oleaginosas - incluindo soja - responderam por mais de US$ 7 bilhões da redução, com um tombo de 65% nas exportações.
A concordância da China em comprar carne suína dos EUA vem num momento em que Pequim tem adotado medidas para reduzir a escassez doméstica do produto, devido a um surto de peste suína africana que já dura um ano. As medidas incluem incentivos agrícolas, a utilização das reservas emergenciais de carne suína e o aumento de importações do produto.
O governo chinês vai liberar mais 10 mil toneladas de carne suína de suas reservas antes do feriado nacional de 1 de outubro, afirmou Gao.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO