Porto Alegre, sábado, 25 de julho de 2020.
Dia do Escritor. Dia do Motorista .

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 25 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Indústria

- Publicada em 03h12min, 25/09/2019. Atualizada em 03h00min, 25/09/2019.

Compras da rede de distribuição de aço recuam 6,8% em agosto

Vendas dos distribuidores registraram queda de 6,4% em agosto na relação anual

Vendas dos distribuidores registraram queda de 6,4% em agosto na relação anual


WANG ZHAO/AFP/JC
As compras da rede de distribuição de aço em agosto caíram 6,8% em relação ao mesmo período do ano passado, para 279,7 mil toneladas, de acordo com dados do Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço (Inda). Em relação ao período imediatamente anterior, houve aumento de 1,1%.
As compras da rede de distribuição de aço em agosto caíram 6,8% em relação ao mesmo período do ano passado, para 279,7 mil toneladas, de acordo com dados do Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço (Inda). Em relação ao período imediatamente anterior, houve aumento de 1,1%.
Já as vendas dos distribuidores registraram queda de 6,4% em agosto na relação anual, para 280 mil toneladas. Ante julho, foi registrada queda de 2,8%.
Com isso, o estoque de aço detido pela rede atingiu 762,5 mil toneladas em agosto, estável em relação ao mês imediatamente anterior. O giro de estoques foi a 2,7 meses, ante 2,6 meses em julho.
De acordo com os dados divulgados pela Inda, as importações de aço caíram 9,5% no mês passado, para 89,8 mil toneladas, segundo dados do Inda. Ante julho, houve recuo de 7,6%. Para setembro, a previsão da entidade é que os volumes de compras e vendas pela rede fiquem estáveis com relação a agosto.
A previsão de crescimento da venda de aço neste ano pela rede de distribuição caiu pela metade, de 10% para 5%, segundo divulgou o Inda. De janeiro a agosto, as vendas aumentaram 5,7% em relação ao ano passado. O presidente do Inda, Carlos Loureiro, afirmou que ainda não observa melhora dos níveis de investimento no Brasil dada a elevada capacidade ociosa do setor industrial. "A demanda é puxada mesmo pela infraestrutura", disse o executivo.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO