Porto Alegre, sábado, 25 de julho de 2020.
Dia do Escritor. Dia do Motorista .

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 25 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

agronegócios

- Publicada em 03h15min, 25/09/2019. Atualizada em 03h00min, 25/09/2019.

Agricultura toma medidas para conter casos de mormo

Doença não tem tratamento e pode ser transmitida ao homem

Doença não tem tratamento e pode ser transmitida ao homem


JONATHAN HECKLER/JONATHAN HECKLER/arquivo/jc
As equipes veterinárias da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) estão tomando todas as medidas de defesa sanitária animal necessárias para o enfrentamento dos casos de mormo detectados em cavalos em uma propriedade em São Lourenço do Sul e em Santo Antônio da Patrulha. A doença não era registrada desde julho de 2017 no Estado. O serviço veterinário oficial realiza ação de vigilância onde os casos foram constatados. As propriedades estão isoladas, sendo proibida a saída ou a entrada de animais, até que sejam feitos todos os procedimentos de sanidade.
As equipes veterinárias da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) estão tomando todas as medidas de defesa sanitária animal necessárias para o enfrentamento dos casos de mormo detectados em cavalos em uma propriedade em São Lourenço do Sul e em Santo Antônio da Patrulha. A doença não era registrada desde julho de 2017 no Estado. O serviço veterinário oficial realiza ação de vigilância onde os casos foram constatados. As propriedades estão isoladas, sendo proibida a saída ou a entrada de animais, até que sejam feitos todos os procedimentos de sanidade.
"O mormo não tem tratamento nem vacina, e é uma zoonose, ou seja, pode ser transmitido para o ser humano, por isso é necessário o sacrifício do animal", explica o médico-veterinário Gustavo Nogueira Diehl, fiscal estadual agropecuário do Departamento de Defesa Agropecuária - Divisão de Defesa Sanitária Animal.
Diehl reforça a necessidade do exame veterinário obrigatório nos animais a cada seis meses. "O exame ainda era uma obrigatoriedade e, diante do quadro, torna-se ainda mais importante."
Os métodos oficiais utilizados para o diagnóstico do mormo no Brasil e, consequentemente, adotados no Rio Grande do Sul são os de Fixação do Complemento (FC), Elisa (testes de triagem), técnicas previstas na Instrução Normativa nº 06/2018, podendo ser utilizado para diagnóstico confirmatório e conclusivo o método de diagnóstico molecular e bioquímico de Western Blotting. Todos esses métodos estão previstos nas inúmeras recomendações da Organização Mundial de Sanidade Animal (OIE).
 
Comentários CORRIGIR TEXTO