Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Conjuntura

- Publicada em 03h09min, 18/09/2019. Atualizada em 03h00min, 18/09/2019.

Monitor do PIB da FGV aponta queda de 0,2%

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro recuou 0,2% de junho para julho, segundo o Monitor do PIB, apurado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). Na comparação com julho de 2018, a economia cresceu 0,8% em julho deste ano. A taxa acumulada em 12 meses ficou em 0,9%.
O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro recuou 0,2% de junho para julho, segundo o Monitor do PIB, apurado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). Na comparação com julho de 2018, a economia cresceu 0,8% em julho deste ano. A taxa acumulada em 12 meses ficou em 0,9%.
Para Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB-FGV, a economia continua travada, com sinais conflitantes. "A economia ainda não consegue se libertar da armadilha do baixo crescimento, em torno de 1%", afirmou Considera, em nota oficial.
Na passagem de junho para julho, a queda de 0,2% no PIB foi puxada pela agropecuária (-1,3%) e pela indústria total. Dentro do PIB industrial, houve perdas no segmento de produção e distribuição de eletricidade (-3,6%), indústria de transformação (-1,1%) e construção (- 1,1%).
Na comparação com julho do ano passado, o crescimento de 0,8% na atividade econômica foi impulsionado pelo setor de serviços (1,8%). Sob a ótica da demanda, o consumo das famílias cresceu 2,5%, mas o consumo do governo encolheu 0,3%.
A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida dos investimentos no PIB) caiu 0,8%. Quanto ao setor externo, as importações subiram 1,4%, enquanto as exportações diminuíram 2,8% em julho de 2019 ante julho de 2018.
Em termos monetários, o PIB totalizou aproximadamente R$ 4,107 trilhões em valores correntes no acumulado de janeiro a julho.
Comentários CORRIGIR TEXTO