Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Comércio Exterior

- Publicada em 03h09min, 17/09/2019. Atualizada em 03h00min, 17/09/2019.

Balança registrou superávit de US$ 3,2 bi em agosto

Exportações brasileiras para os Estados Unidos cresceram 9,5% no mês passado, segundo pesquisa da FGV

Exportações brasileiras para os Estados Unidos cresceram 9,5% no mês passado, segundo pesquisa da FGV


/FREDERIC J. BROWN/AFP/JC
A desaceleração do crescimento do comércio mundial e o baixo nível de atividade da economia brasileira contribuíram para uma queda em 15% na corrente de comércio - exportações mais importações - em agosto de 2019 ante agosto de 2018. Os dados são do Indicador do Comércio Exterior (Icomex), divulgado pela Fundação Getulio Vargas (FGV).
A desaceleração do crescimento do comércio mundial e o baixo nível de atividade da economia brasileira contribuíram para uma queda em 15% na corrente de comércio - exportações mais importações - em agosto de 2019 ante agosto de 2018. Os dados são do Indicador do Comércio Exterior (Icomex), divulgado pela Fundação Getulio Vargas (FGV).
Houve queda no valor exportado (13%) e no importado (17%). Como as importações recuaram mais, a balança comercial registrou superávit de US$ 3,2 bilhões em agosto. Em termos de volume, as exportações e as importações recuaram na mesma magnitude sobre agosto de 2018: -13%.
Todos os setores contribuíram para a queda no volume exportado no mês passado, com destaque para a retração de 10,8% da indústria de transformação, puxada pelo recuo no volume das exportações de bens de capital (-58,1%, com influência das plataformas de petróleo) e bens duráveis (-30,2%).
Se as plataformas de petróleo fossem excluídas da comparação, o recuo das exportações de bens de capital teria sido de 20,1%. As plataformas também influenciaram as importações de bens de capital: o volume importado caiu 43% em agosto ante agosto do ano passado, mas teria crescido 16,3% se excluídas as plataformas.
As exportações brasileiras para os Estados Unidos cresceram 9,5% em agosto, na comparação com o mesmo período de 2018. Já as importações de produtos daquele país aumentaram 27,9%
As exportações para a Argentina recuaram 38,9% no mês. As vendas para a China caíram 17,1%, enquanto o volume exportado para a União Europeia recuou 7%.
Comentários CORRIGIR TEXTO