Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 18h03min, 13/09/2019. Atualizada em 18h02min, 13/09/2019.

Bolsas de Nova Iorque fecham sem sinal único, com ação da Apple pressionada

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,14%, em 27.219,52 pontos

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,14%, em 27.219,52 pontos


SPENCER PLATT/AFP/JC
As bolsas de Nova Iorque fecharam na maioria em baixa nesta sexta-feira, oscilando entre ganhos e perdas ao longo de boa parte do pregão. A ação da Apple registrou baixa, após o Goldman Sachs cortar o preço-alvo para o papel, mas o setor bancário se destacou, em dia de avanço nos juros dos Treasuries.
As bolsas de Nova Iorque fecharam na maioria em baixa nesta sexta-feira, oscilando entre ganhos e perdas ao longo de boa parte do pregão. A ação da Apple registrou baixa, após o Goldman Sachs cortar o preço-alvo para o papel, mas o setor bancário se destacou, em dia de avanço nos juros dos Treasuries.
O índice Dow Jones fechou em alta de 0,14%, em 27.219,52 pontos, o Nasdaq recuou 0,22%, a 8.176,71 pontos, e o S&P 500 teve baixa de 0,07%, a 3.007,39 pontos. Na comparação semanal, o Dow Jones subiu 1,58%, o Nasdaq avançou 0,96% e o S&P 500 teve ganho também de 0,96%.
O otimismo maior sobre a perspectiva de um acordo comercial entre Estados Unidos e China ajudou o apetite por risco nas bolsas, em meio a notícias que sinalizavam maior chance de uma solução no impasse bilateral. A agência estatal Xinhua, por exemplo, apontou que a China tem intenção de isentar a carne e a soja importadas de produtos americanos.
Segundo a Oxford Economics, os rumores sobre o diálogo EUA-China ajudaram as ações em Nova Iorque a voltar a territórios próximos de recordes, enquanto as vendas no varejo americano mostraram hoje resiliência nos gastos. Além disso, a consultoria lembra que há expectativa por corte de juros pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano) na próxima quarta-feira.
Não houve, porém, euforia nas bolsas, com os índices acionários mostrando pouco fôlego, após se aproximarem nesta semana de máximas históricas. A ação da Apple ficou mais pressionada, com baixa de 1,95% após o Goldman Sachs cortar o preço-alvo do papel de US$ 187 a US$ 165.
Também foi monitorada a notícia de que um comitê da Câmara dos Representantes americana solicitou e-mails e outras comunicações de executivos de Apple, Amazon, Facebook e Alphabet (Google), em uma investigação sobre eventuais irregularidades para cercear a concorrência. Entre essas ações, Amazon caiu 0,23% e Facebook perdeu 0,15%, mas Alphabet subiu 0,41%.
No setor financeiro, o avanço dos retornos dos Treasuries ajudou as ações: Goldman Sachs subiu 0,53%, JPMorgan avançou 1,97% e Citigroup, 1,57%. Outros papéis importantes que tiveram jornada positiva foram Boeing, em alta de 1,10%, e Caterpillar, de 1,54%.
Comentários CORRIGIR TEXTO