Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

conjuntura

- Publicada em 03h03min, 13/09/2019. Atualizada em 03h00min, 13/09/2019.

Previsão de déficit primário vai a R$ 104,068 bi

Analistas de mercado ouvidos pelo Ministério da Economia elevaram a previsão para o déficit fiscal deste ano. De acordo com o boletim Prisma Fiscal deste mês, divulgado nesta quinta-feira, pela Secretaria de Política Econômica (SPE) da pasta, a mediana das previsões para 2019 passou de um rombo de R$ 103,217 bilhões, previsto em agosto, para um déficit de R$ 104,068 bilhões. Mesmo com a piora nas previsões, o valor ainda está abaixo da meta de 2019, que permite um déficit de R$ 139 bilhões.
Analistas de mercado ouvidos pelo Ministério da Economia elevaram a previsão para o déficit fiscal deste ano. De acordo com o boletim Prisma Fiscal deste mês, divulgado nesta quinta-feira, pela Secretaria de Política Econômica (SPE) da pasta, a mediana das previsões para 2019 passou de um rombo de R$ 103,217 bilhões, previsto em agosto, para um déficit de R$ 104,068 bilhões. Mesmo com a piora nas previsões, o valor ainda está abaixo da meta de 2019, que permite um déficit de R$ 139 bilhões.
Para 2020, os analistas elevaram levemente a projeção de resultado negativo de R$ 70 bilhões para R$ 70,875 bilhões, segundo o boletim.
Com relação à arrecadação das receitas federais em 2019, o Prisma deste mês mostra certa estabilidade nas projeções do mercado. A estimativa aponta para uma arrecadação de R$ 1,558 trilhão neste ano. Para 2020, a projeção também se manteve em R$ 1,673 trilhão.
A estimativa para a receita líquida do governo central neste ano passou de R$ 1,307 trilhão para R$ 1,300 trilhão. Já para 2020, as projeções do mercado também caíram de R$ 1,398 trilhão para R$ 1,391 trilhão.
Por outro lado, a projeção de despesas totais do governo central também caiu. Para este ano passou de R$ 1,412 trilhão para R$ 1,408 trilhão; e para 2020, manteve-se em R$ 1,473 trilhão. A mediana das projeções dos analistas do Prisma para a Dívida Bruta do Governo Geral ao fim de 2019 manteve-se em 78,50% do PIB. Para 2020, a estimativa, que estava em 80,00% do PIB, variou para 79,70% do PIB no relatório divulgado nesta quinta-feira.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO