Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 12 de setembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

12/09/2019 - 10h34min. Alterada em 12/09 às 10h34min

BCE corta projeções de crescimento econômico e inflação da zona do euro

Estadão Conteúdo
O Banco Central Europeu (BCE) cortou suas projeções para o crescimento econômico e a inflação da zona do euro neste e no próximo ano. O presidente do BCE, Mario Draghi, disse há pouco que a instituição agora prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) do bloco crescerá 1,1% em 2019 e 1,2% em 2020. Anteriormente, as projeções eram de avanços de 1,2% e 1,4%, respectivamente.
O Banco Central Europeu (BCE) cortou suas projeções para o crescimento econômico e a inflação da zona do euro neste e no próximo ano. O presidente do BCE, Mario Draghi, disse há pouco que a instituição agora prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) do bloco crescerá 1,1% em 2019 e 1,2% em 2020. Anteriormente, as projeções eram de avanços de 1,2% e 1,4%, respectivamente.
Para 2021, por outro lado, o BCE agora prevê crescimento um pouco mais robusto, de 1,4%, ante 1,3% anteriormente. Em relação à taxa anual de inflação ao consumidor, o BCE cortou suas previsões para 2019, de 1,3% para 1,2%, para 2020, de 1,4% para 1%, e também para 2021, de 1,6% para 1,5%. Prévia de agosto mostrou recentemente que a inflação anual da zona do euro está em 1%, muito abaixo, portanto da meta oficial do BCE, que é de uma taxa ligeiramente abaixo de 2%.
Draghi está falando na coletiva de imprensa que se seguiu à decisão do BCE, mais cedo, de adotar uma série de medidas de estímulos, incluindo o corte da taxa de depósito para -0,50% e a retomada de compras mensais de ativos a partir de novembro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia