Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Trabalho

- Publicada em 08h18min, 12/09/2019. Atualizada em 03h00min, 12/09/2019.

Trabalhadores dos Correios decretam greve nacional

Mesmo após 10 encontros da empresa com os representantes dos funcionários, não houve acordo

Mesmo após 10 encontros da empresa com os representantes dos funcionários, não houve acordo


/FREDY VIEIRA/ARQUIVO/JC
Os trabalhadores dos Correios estão em greve geral, por tempo indeterminado, desde a noite de terça-feira. Embora ainda esteja avaliando o real impacto da paralisação, a empresa afirma que os serviços foram parcialmente afetados. Já a Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect) garante que o movimento é nacional.
Os trabalhadores dos Correios estão em greve geral, por tempo indeterminado, desde a noite de terça-feira. Embora ainda esteja avaliando o real impacto da paralisação, a empresa afirma que os serviços foram parcialmente afetados. Já a Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect) garante que o movimento é nacional.
"Em todo o País, a categoria se mostrou consciente da gravidade da situação e decretou greve por tempo indeterminado", assegura a Findect, em nota. Segundo a entidade, a paralisação foi a forma que os funcionários da estatal encontraram para se opor à proposta do governo federal de privatizar os Correios. Os trabalhadores também tentam pressionar a direção da empresa a negociar a manutenção de direitos trabalhistas e dos atuais salários no futuro Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), que está por ser assinado. No mês passado, o governo federal incluiu os Correios no Plano Nacional de Desestatização (PND) e inaugurou a fase de estudos para privatizar, total ou parcialmente, a empresa e outras 17 estatais. De acordo com Martha Seillier, secretária especial do Programa de Parcerias de Investimentos, da Casa Civil, o objetivo inicial dos estudos é analisar a viabilidade econômica dos ativos federais (empresas, ações e serviços) e o possível impacto de parcerias com a iniciativa privada.
Além do receio da privatização, os representantes da categoria temem a redução salarial e a perda de benefícios. "Querem reduzir radicalmente os salários e benefícios para diminuir custos e privatizar os Correios", afirma a Findect. "Para manter nosso Acordo Coletivo, repor as perdas aos salários e manter os empregos vamos ter que lutar." De acordo com a direção da empresa, os prejuízos operacionais acumulados chegam a R$ 3 bilhões.
"Os Correios participaram de 10 encontros na mesa de negociação com os representantes dos trabalhadores, mas as federações expuseram propostas que superam até mesmo o faturamento anual da empresa, algo insustentável para o projeto de reequilíbrio financeiro em curso pela empresa", assegura a direção dos Correios.
"O processo de negociação do Acordo Coletivo 2019/2020 está no Tribunal Superior do Trabalho. Na semana passada, após várias tentativas de compatibilizar os interesses dos empregados e empregadores, o vice-presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministro Renato de Lacerda Paiva, decretou a extinção do procedimento de mediação e conciliação pré-processual entre a empresa e as entidades que representam os empregados. Segundo a assessoria do tribunal, a direção dos Correios foi a única a não aceitar a proposta de prorrogar o acordo coletivo de trabalho para que fosse dado prosseguimento à negociação de novo instrumento coletivo.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO