Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 12 de setembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

consumo

Edição impressa de 12/09/2019. Alterada em 12/09 às 03h00min

Inflação em agosto foi maiorpara as famílias mais pobres

A desaceleração da inflação em agosto foi mais intensa para as famílias de renda mais alta, enquanto os mais pobres viram os preços dos produtos mais consumidos por eles aumentar um pouco mais, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda mostra que as famílias com renda mais baixa sentiram uma inflação de 0,12% em agosto. No mesmo período, o custo de vida aumentou 0,08% para as famílias de renda mais elevada.
A desaceleração da inflação em agosto foi mais intensa para as famílias de renda mais alta, enquanto os mais pobres viram os preços dos produtos mais consumidos por eles aumentar um pouco mais, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda mostra que as famílias com renda mais baixa sentiram uma inflação de 0,12% em agosto. No mesmo período, o custo de vida aumentou 0,08% para as famílias de renda mais elevada.
O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), apurado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que faz uma média da variação de preços para as famílias com renda de 1 a 40 salários mínimos, ficou em 0,11% em agosto.
Os preços do grupo habitação foram os principais responsáveis pela inflação mais elevada para os mais pobres, segundo o Ipea. "As altas de itens de grande peso na cesta de consumo desse segmento, como energia elétrica (3,85%), aluguel (0,63%) e taxa de água e esgoto (1,34%), geraram um forte impacto", diz a nota sobre o Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda.
Apesar da alta nesses preços, houve alívio nos gastos do grupo alimentação, com queda em alguns itens importantes, como tubérculos (-10,7%), verduras (-6,5%), carnes (-0,75%) e leites e derivados (-0,30%). Por sua vez, a inflação percebida pelos consumidores de renda mais elevada desacelerou mais por causa, especialmente, da deflação nas passagens aéreas.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia