Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 10 de setembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 10/09 às 15h28min

À exceção de Milão, bolsas europeias fecham em alta à espera de reunião do Banco Central Europeu

A tendência de avanço foi seguida pela bolsa de Londres, cujo índice FTSE 100 subiu 0,44%

A tendência de avanço foi seguida pela bolsa de Londres, cujo índice FTSE 100 subiu 0,44%


JOHN MACDOUGALL/AFP/JC
Estadão Conteúdo
Os mercados acionários europeus encerraram o pregão desta terça-feira em alta, à exceção de Milão, refletindo a espera de investidores pela decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), que deve trazer, na quinta-feira, um pacote de estímulos à economia. Diante do cenário, o índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,10%, aos 386,40 pontos.
Os mercados acionários europeus encerraram o pregão desta terça-feira em alta, à exceção de Milão, refletindo a espera de investidores pela decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), que deve trazer, na quinta-feira, um pacote de estímulos à economia. Diante do cenário, o índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,10%, aos 386,40 pontos.
A zona do euro segue com expectativa para os estímulos monetários que devem ser anunciados pelo BCE, embora não se saiba a dimensão do pacote. Investidores operam com bom humor sobre a questão, mas "já atenuam suas apostas sobre o programa de relaxamento quantitativo (QE, pela sigla em inglês)", ressalta um relatório do BBVA divulgado a clientes.
Na maior economia do bloco, a Alemanha, o ministro das Finanças, Olaf Scholz, apresentou a proposta orçamentária para 2020 e afirmou dispor de "muitos, muitos bilhões" de euros para enfrentar uma crise econômica. O índice DAX, da bolsa de Frankfurt, encerrou o dia em alta de 0,35%, para 12.268,71 pontos, com alta de 1,66% do Deutsche Bank.
A tendência de avanço foi seguida pela bolsa de Londres, cujo índice FTSE 100 subiu 0,44%, para 7.267,95 pontos. Nem as incertezas envolvendo o Brexit e a suspensão do Parlamento britânico na noite de segunda, seguindo um pedido do premiê Boris Johnson atendido pela rainha Elizabeth II, foram capazes de conter o fortalecimento do mercado acionário, com melhora ao longo do pregão. Por lá, o Barclays saltou 4,90%.
O setor bancário também se fortaleceu na bolsa de Paris, com ganhos de 1,61% do Société Générale. Por lá, o índice CAC 40 fechou em alta de 0,08%, aos 5.593,21 pontos.
Apenas a bolsa de Milão, entre as principais do Velho Continente, encerrou o dia em baixa, cedendo 0,55%, para 21.869,01 pontos, em meio ao acirramento de tensões entre o primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, e o líder da Liga, Matteo Salvini. No dia em que o Senado local iniciou o processo para o voto de confiança no novo governo de Conte, Salvini chamou o premiê de "subalterno aos interesses da União Europeia".
O índice Ibex 35, da bolsa de Madri, encerrou a terça-feira em alta de 0,75%, aos 9.078,20 pontos, e o índice PSI 20, da bolsa de Lisboa, subiu 0,58%, para 4.995,01 pontos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia