Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 10 de setembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Edição impressa de 10/09/2019. Alterada em 09/09 às 21h25min

China habilita outros 25 frigoríficos brasileiros

Dezessete plantas que abatem bovinos foram incluídas na lista e já podem embarcar matéria-prima

Dezessete plantas que abatem bovinos foram incluídas na lista e já podem embarcar matéria-prima


/MANUELA BERGAMIM DE OLIVEIRA/EMBRAPA/DIVULGAÇÃO/JC
A China habilitou 25 novos frigoríficos brasileiros para exportação - 17 de bovinos, seis de frango, uma de suínos e uma de asininos (asno). Com isso, o Brasil, que antes tinha 64 plantas habilitadas a exportar para o gigante asiático, passa a ter 89. O Ministério da Agricultura recebeu, ontem, a comunicação oficial da Administração Geral da Aduana da China (GACC) sobre as habilitações. De acordo com a pasta, as plantas já estão autorizadas a embarcar.
A China habilitou 25 novos frigoríficos brasileiros para exportação - 17 de bovinos, seis de frango, uma de suínos e uma de asininos (asno). Com isso, o Brasil, que antes tinha 64 plantas habilitadas a exportar para o gigante asiático, passa a ter 89. O Ministério da Agricultura recebeu, ontem, a comunicação oficial da Administração Geral da Aduana da China (GACC) sobre as habilitações. De acordo com a pasta, as plantas já estão autorizadas a embarcar.
As habilitações eram aguardadas pelo mercado brasileiro, já que nos últimos meses a China vinha fazendo inspeções em unidades do País, chegando até a adotar a videoconferência, método que ainda não havia sido utilizado. O gigante asiático tem forte demanda por proteína animal em decorrência da peste suína africana, que vem devastando plantéis locais e causando falta de oferta. BRF, Minerva e Marfrig têm, cada uma, duas unidades autorizadas. A JBS, que também é negociada na B3, não teve novas plantas aprovadas.
Notícias sobre economia são importantes para você?
Em comunicado ao mercado, a Minerva empresa informou que foram habilitadas as unidades de Rolim de Moura (RO) e Palmeiras de Goiás (GO), duas das maiores capacidades de abate de carne bovina da companhia, com um total de 3.500 cabeças/dia.
Somada à unidade de Barretos (SP), que já exporta para o mercado chinês, a divisão Brasil da empresa passa a atender a China por meio de três plantas, atingindo uma capacidade de aproximadamente 4.340 cabeças/dia. O montante representa 45% da capacidade total de abate da divisão Brasil.
Segundo a empresa, sua subsidiária Athena Foods já possui quatro plantas de abate habilitadas para o mercado chinês: três no Uruguai e a unidade de Rosário na Argentina, totalizando 5.600 cabeças/dia. Com isso, a capacidade consolidada apta da Minerva para atender à crescente demanda do mercado chinês atualmente soma sete plantas e 9.940 cabeças/dia.
As unidades habilitadas da Marfrig ficam em Mato Grosso, nos municípios de Tangará da Serra e Várzea Grande. Com isso, a companhia passa a ter cinco unidades no Brasil, quatro no Uruguai e duas na Argentina habilitadas a embarcar para a China.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia