Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 18h20min, 03/09/2019. Atualizada em 18h19min, 03/09/2019.

Queda do dólar perde fôlego e moeda americana termina em R$ 4,17

Pesaram notícias sobre as dificuldades dos EUA e China avançarem nas negociações comerciais

Pesaram notícias sobre as dificuldades dos EUA e China avançarem nas negociações comerciais


VANDERLEI ALMEIDA/AFP/JC
O dólar tentou engatar queda mais forte na terça-feira (3), após subir firme na segunda, mas o movimento perdeu fôlego na parte da tarde. O clima na economia mundial foi de fuga de ativos de risco, após indicadores fracos da indústria dos Estados Unidos aumentarem os temores de recessão na maior economia do mundo. O dólar subiu ante divisas fortes, mas recuou ante emergentes pares do Brasil, com o México, Argentina e Colômbia. No final do dia, fechou aqui em leve queda de 0,09%, a R$ 4,1790.
O dólar tentou engatar queda mais forte na terça-feira (3), após subir firme na segunda, mas o movimento perdeu fôlego na parte da tarde. O clima na economia mundial foi de fuga de ativos de risco, após indicadores fracos da indústria dos Estados Unidos aumentarem os temores de recessão na maior economia do mundo. O dólar subiu ante divisas fortes, mas recuou ante emergentes pares do Brasil, com o México, Argentina e Colômbia. No final do dia, fechou aqui em leve queda de 0,09%, a R$ 4,1790.
Na terça-feira, o dólar tentou devolver parte dos ganhos de segunda. Pela manhã, chegou a cair a R$ 4,15, na mínima do dia. "O movimento de segunda foi exagerado e nesta terça caiu um pouco", observa o responsável pela área de câmbio da Terra Investimentos, Vanei Nagem, ressaltando que o noticiário externo acabou predominando em dia de agenda doméstica mais fraca. Com o dólar perto dos R$ 4,18/4,19, as mesas começam a puxar as cotações para cima para ver se o Banco Central vai atuar, ressalta ele.
No exterior, pesaram notícias sobre as dificuldades de Estados Unidos e China avançarem nas negociações comerciais. Além disso, continua o impasse sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit, o que fez a libra cair pela primeira vez em mais de dois anos e meio abaixo de US$ 1,20. Nos EUA, o índice ISM de atividade industrial caiu para 49,1 em agosto, sinalizando contração no setor manufatureiro do país.
A economista da corretora Stifel Lindsey Piegza ressalta que a piora do ISM ocorre em paralelo com a fraqueza de indicadores da China e da Alemanha, da indefinição do Brexit e da crise argentina, provocando um movimento de fuga de risco dos investidores. Internamente, a produção industrial abaixo do esperado de julho eleva a aposta de queda dos juros, movimento desfavorável para o câmbio, pois torna ativos brasileiros menos atrativos.
O cenário externo mais adverso fez o Citi rever as projeções para o câmbio aqui, com o real devendo ficar mais enfraquecido, conforme relatório divulgado nesta terça. O banco americano espera que o dólar termine o ano em R$ 3,91. Em julho, a expectativa era de dólar a R$ 3,68 no final do ano. O economista do Citi para Brasil, Leonardo Porto, avalia que a chance é de depreciação até maior para o real, principalmente se o cenário externo ficar ainda mais adverso por perda de fôlego mais intenso das principais economias mundiais. O Citi espera que um acordo comercial entre Washington e Pequim não deve vir antes das eleições presidenciais americanas de novembro do ano que vem. Para 2020, a estimativa é de dólar a R$ 3,83.
Comentários CORRIGIR TEXTO