Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Indústria

- Publicada em 03h12min, 03/09/2019. Atualizada em 03h00min, 03/09/2019.

Faturamento das indústrias sobe 2% em julho

Horas trabalhadas e emprego recuaram no sétimo mês do ano

Horas trabalhadas e emprego recuaram no sétimo mês do ano


/GEOFFROY VAN DER HASSELT/AFP/JC
O faturamento da indústria brasileira aumentou 2% em julho na comparação com junho, na série livre de influências sazonais. "Esse foi o segundo mês consecutivo de crescimento e a primeira vez no ano em que o faturamento cresce por dois meses seguidos", afirma a pesquisa Indicadores Industriais, divulgada nesta segunda-feira pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Contudo, na comparação com julho do ano passado, o faturamento do setor registra queda de 0,5%.
O faturamento da indústria brasileira aumentou 2% em julho na comparação com junho, na série livre de influências sazonais. "Esse foi o segundo mês consecutivo de crescimento e a primeira vez no ano em que o faturamento cresce por dois meses seguidos", afirma a pesquisa Indicadores Industriais, divulgada nesta segunda-feira pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Contudo, na comparação com julho do ano passado, o faturamento do setor registra queda de 0,5%.
Outros indicadores positivos em julho foram a utilização da capacidade instalada, com aumento de 0,1 ponto percentual, e a massa real de salários, que subiu 0,2% frente a junho, na série dessazonalizada. A utilização da capacidade instalada alcançou 77,7% e está 0,1 ponto percentual abaixo da verificada em julho de 2018. A massa real de salários ficou 0,9% inferior à de julho do ano passado.
No entanto, as horas trabalhadas na produção, o emprego e o rendimento médio real do trabalhador recuaram em julho. As horas trabalhadas na produção caíram 0,5% em relação a junho, na série com ajuste sazonal. Foi a terceira queda consecutiva do indicador, que está 0,3% menor do que o verificado em julho de 2018. O emprego recuou 0,1%, e o rendimento médio do trabalhador diminuiu 0,2% em julho frente a junho, na série dessazonalizada. Na comparação com junho do ano passado, a queda no emprego é de 0,5% e a do rendimento médio, de 0,4%.
"A indústria continua sem registrar recuperação significativa na comparação com 2018", avalia a CNI. "A indústria se ressente de uma demanda mais forte, que estimule o aumento da produção e a ocupação da capacidade instalada. A redução da ociosidade é fundamental para a retomada do investimento, o que aceleraria a recuperação da indústria", afirma o economista da CNI Marcelo Azevedo.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO