Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

conjuntura internacional

- Publicada em 03h07min, 02/09/2019. Atualizada em 03h00min, 02/09/2019.

Agências de classificação de risco rebaixam a nota da Argentina

A Argentina voltou, na sexta-feira, ao foco das agências de classificação de risco: a Fitch e a Moody's rebaixaram a nota do país a "RD", ou calote restrito, e "Caa2", ou à beira da moratória, respectivamente. Segundo a Fitch, a Argentina está em default de suas obrigações soberanas, e o plano do governo foi unilateral, representando uma troca de dívida problemática. A Moody's explicou que o rebaixamento reflete o aumento das expectativas de perdas para investidores, devido às crescentes pressões nas finanças do governo.
A Argentina voltou, na sexta-feira, ao foco das agências de classificação de risco: a Fitch e a Moody's rebaixaram a nota do país a "RD", ou calote restrito, e "Caa2", ou à beira da moratória, respectivamente. Segundo a Fitch, a Argentina está em default de suas obrigações soberanas, e o plano do governo foi unilateral, representando uma troca de dívida problemática. A Moody's explicou que o rebaixamento reflete o aumento das expectativas de perdas para investidores, devido às crescentes pressões nas finanças do governo.
Já a Standard & Poor's (S&P), que, na quinta-feira, havia rebaixado a Argentina a "SD" (calote seletivo), elevou a nota da dívida soberana para "CCC-", inadimplemento próximo. A reavaliação foi por critérios técnicos, devido à divulgação, pelo governo argentino, de um novo cronograma para o pagamento das dívidas.
O Banco Central argentino anunciou, na sexta-feira, que as instituições financeiras precisarão de autorização prévia para distribuir seus lucros. O BC ainda estabeleceu medidas para garantir a liquidez de fundos de investimento.
Os bancos, agora, poderão negociar seus fundos entre si, o que não era permitido. Com isso, o BC tenta acalmar os mercados: na quinta-feira, vários fundos de investimento suspenderam os resgates, até que tivessem uma visão mais clara da situação econômica.
O BC também prometeu comprar títulos locais detidos pelos bancos.
Com a turbulência financeira, o risco-país da Argentina voltou a subir. O índice, apurado pelo banco JPMorgan, subiu 261 pontos, a 2.533 pontos centesimais, o maior nível desde 2005.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO