Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 17h10min, 30/08/2019. Atualizada em 17h10min, 30/08/2019.

Petróleo fecha em queda com notícia de produção da Rússia

Os contratos futuros de petróleo encerraram o pregão desta sexta-feira, 30, em queda, após a notícia de que a Rússia não cortará sua produção nos níveis propostos pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).
Os contratos futuros de petróleo encerraram o pregão desta sexta-feira, 30, em queda, após a notícia de que a Rússia não cortará sua produção nos níveis propostos pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).
O petróleo WTI para outubro fechou em queda de 2,84%, a US$ 55,10 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), com avanço, no entanto, de 1,72% na comparação semanal. Em quatro meses, já houve queda de 14,77%.
O Brent para novembro, por sua vez, caiu 2,05%, a US$ 59,25 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE), perdendo a marca psicologicamente importante dos US$ 60. Em quatro meses, o recuo já chega a 17,36%.
Já o petróleo Brent para outubro, cujo contrato venceu nesta sexta, encerrou a vigência se desvalorizando 1,06%, a US$ 60,43 o barril. Na comparação semanal, houve avanço de 1,84%.
O principal driver para os contratos de petróleo nesta sexta-feira foi a notícia de que a Rússia cumprirá apenas 44% de sua cota nos cortes de produção do óleo, o que estava previsto em acordo firmado entre a Opep e aliados. Além disso, o país aumentou sua produção em agosto para 11,3 milhões de barris por dia, o que amplia a oferta e tende a pressionar as cotações.
Contudo, de acordo com Eugen Weinberg, analista do Commerzbank, interrupções na produção em outras partes do mundo não podem ser ignoradas. "Especialmente, a falta de exportações da Venezuela", diz.
Nem mesmo a percepção de que a guerra comercial entre Estados Unidos e China passa por amenização, sobretudo após a fala do porta-voz do Ministério do Comércio do país asiático, Gao Feng, de que as retaliações de Pequim às importações americanas estavam "suficientes", deu conta de conter a queda dos contratos de petróleo.
Ainda do posto de vista da oferta, o número de poços e plataformas de petróleo em atividade nos EUA recuou 12, a 742, informou nesta sexta-feira a Baker Hughes, companhia que presta serviços no setor.
Comentários CORRIGIR TEXTO