Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

conjuntura

- Publicada em 11h53min, 23/08/2019. Atualizada em 11h53min, 23/08/2019.

Inflação pelo IPC-S recua na terceira semana de agosto

Maior contribuição de alta partiu do grupo Alimentação, com destaque para o preço de hortaliças e legumes

Maior contribuição de alta partiu do grupo Alimentação, com destaque para o preço de hortaliças e legumes


JONATHAN HECKLER/ARQUIVO/JC
O Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) recuou 0,22% na terceira quadrissemana de agosto, desacelerando o ritmo de alta em relação à leitura anterior (0,26%), informou a Fundação Getulio Vargas nesta sexta-feira (23).
O Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) recuou 0,22% na terceira quadrissemana de agosto, desacelerando o ritmo de alta em relação à leitura anterior (0,26%), informou a Fundação Getulio Vargas nesta sexta-feira (23).
Quatro das oito classes que compõe o índice registraram decréscimo nas suas taxas. A maior contribuição partiu do grupo Alimentação (0,14% para -0,15%). A FGV destaca o comportamento do item hortaliças e legumes, cuja taxa passou de -4,80% para -8,07%.
Também tiveram queda no período os grupos Saúde e Cuidados Pessoais (0,37% para 0,27%), Habitação (0,93% para 0,84%) e Despesas Diversas (0,20% para 0,01%). Nessa classes, a instituição destaca o comportamento de artigos de higiene e cuidado pessoal (0,39% para 0,01%), tarifa de eletricidade residencial (4,57% para 3,94%) e alimentos para animais domésticos (0,37% para -0,82%).
Em contrapartida, tiveram alta os grupos Transportes (-0,23% para 0,05%), Educação, Leitura e Recreação (-0,33% para -0,13%), Comunicação (0,16% para 0,27%) e Vestuário (-0,05% para -0,01%), com destaque para etanol (-1,05% para 1,44%), passagem aérea (-13,41% para -9,61%), tarifa de telefone residencial (0,76% para 1,12%) e roupas (-0,40% para -0,24%).
Comentários CORRIGIR TEXTO