Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de agosto de 2019.
Dia do Folclore.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

22/08/2019 - 18h43min. Alterada em 22/08 às 18h44min

Ibovespa cai 1,18% com fim da euforia com privatizações

Estadão Conteúdo
A euforia que levou o Índice Bovespa a subir 2% na quarta-feira se dissipou nesta quinta e o indicador devolveu mais da metade do que havia conquistado e por pouco não perdeu novamente o patamar dos 100 mil pontos. A queda foi atribuída a uma correção de exageros após leitura menos otimista do plano de privatizações do governo, em um dia em que a cautela predominou no mercado internacional. Ao final dos negócios, o indicador marcou 100.011,28 pontos, na mínima do dia, em baixa de 1,18%.
A euforia que levou o Índice Bovespa a subir 2% na quarta-feira se dissipou nesta quinta e o indicador devolveu mais da metade do que havia conquistado e por pouco não perdeu novamente o patamar dos 100 mil pontos. A queda foi atribuída a uma correção de exageros após leitura menos otimista do plano de privatizações do governo, em um dia em que a cautela predominou no mercado internacional. Ao final dos negócios, o indicador marcou 100.011,28 pontos, na mínima do dia, em baixa de 1,18%.
Entre as blue chips que fazem parte do "kit privatização", somente as da Eletrobras tiveram fôlego para dar continuidade ao movimento de alta gerado pelo anúncio de 17 empresas a serem privatizadas. Isso porque o secretário especial de Desestatização, Desenvolvimento e Mercados, Salim Mattar, disse que a estatal do setor elétrico deve ser privatizada mais cedo que as demais porque precisa de dinheiro. Ao final do pregão, Eletrobras ON e PNB subiram 4,07% e 4,02%. Já papéis como Banco do Brasil e Petrobras oscilaram em terreno negativo, não mais sob o efeito das especulações que inflaram os papéis na quarta-feira.
"A alta de quarta-feira foi um movimento exagerado, apoiado em informações sobre privatizações que não vão acontecer da noite para o dia. Hoje, sem a euforia da véspera, faltaram notícias capazes de sustentar o mercado", disse Ariovaldo Ferreira, gerente da mesa de renda variável da H.Commcor. Ele conta que foi grande a expectativa pelo discurso de sexta do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell.
Apesar de as quedas não terem anulado totalmente os ganhos da quarta-feira, Ferreira ressalta as perdas acumuladas nas últimas semanas seguem bastante relevantes, revelando a cautela do investidor com o cenário de guerra comercial e desaceleração econômica no mundo. "Em um cenário de incertezas, muitos investidores acreditam que a fala de Powell trará algum componente novo para o mercado estimar os novos passos da política monetária dos EUA. Mas ele não tem obrigação de fazer isso", disse o profissional.
Para Pedro Coelho Afonso, economista da PCA Capital, o cenário internacional é cada vez mais preocupante e não havia como o investidor doméstico sustentar o Ibovespa em alta, "com sinais de euforia diante de uma notícia vazia", no caso das privatizações. "Ninguém tem ideia do que vai acontecer no cenário externo, que é cada vez mais preocupante, com risco de quadro recessivo. É grande a chance de o investidor estrangeiro procurar cada vez mais os mercados mais consolidados", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia