Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 18h44min, 22/08/2019. Atualizada em 18h44min, 22/08/2019.

Ibovespa cai 1,18% com fim da euforia com privatizações

A euforia que levou o Índice Bovespa a subir 2% na quarta-feira se dissipou nesta quinta e o indicador devolveu mais da metade do que havia conquistado e por pouco não perdeu novamente o patamar dos 100 mil pontos. A queda foi atribuída a uma correção de exageros após leitura menos otimista do plano de privatizações do governo, em um dia em que a cautela predominou no mercado internacional. Ao final dos negócios, o indicador marcou 100.011,28 pontos, na mínima do dia, em baixa de 1,18%.
A euforia que levou o Índice Bovespa a subir 2% na quarta-feira se dissipou nesta quinta e o indicador devolveu mais da metade do que havia conquistado e por pouco não perdeu novamente o patamar dos 100 mil pontos. A queda foi atribuída a uma correção de exageros após leitura menos otimista do plano de privatizações do governo, em um dia em que a cautela predominou no mercado internacional. Ao final dos negócios, o indicador marcou 100.011,28 pontos, na mínima do dia, em baixa de 1,18%.
Entre as blue chips que fazem parte do "kit privatização", somente as da Eletrobras tiveram fôlego para dar continuidade ao movimento de alta gerado pelo anúncio de 17 empresas a serem privatizadas. Isso porque o secretário especial de Desestatização, Desenvolvimento e Mercados, Salim Mattar, disse que a estatal do setor elétrico deve ser privatizada mais cedo que as demais porque precisa de dinheiro. Ao final do pregão, Eletrobras ON e PNB subiram 4,07% e 4,02%. Já papéis como Banco do Brasil e Petrobras oscilaram em terreno negativo, não mais sob o efeito das especulações que inflaram os papéis na quarta-feira.
"A alta de quarta-feira foi um movimento exagerado, apoiado em informações sobre privatizações que não vão acontecer da noite para o dia. Hoje, sem a euforia da véspera, faltaram notícias capazes de sustentar o mercado", disse Ariovaldo Ferreira, gerente da mesa de renda variável da H.Commcor. Ele conta que foi grande a expectativa pelo discurso de sexta do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell.
Apesar de as quedas não terem anulado totalmente os ganhos da quarta-feira, Ferreira ressalta as perdas acumuladas nas últimas semanas seguem bastante relevantes, revelando a cautela do investidor com o cenário de guerra comercial e desaceleração econômica no mundo. "Em um cenário de incertezas, muitos investidores acreditam que a fala de Powell trará algum componente novo para o mercado estimar os novos passos da política monetária dos EUA. Mas ele não tem obrigação de fazer isso", disse o profissional.
Para Pedro Coelho Afonso, economista da PCA Capital, o cenário internacional é cada vez mais preocupante e não havia como o investidor doméstico sustentar o Ibovespa em alta, "com sinais de euforia diante de uma notícia vazia", no caso das privatizações. "Ninguém tem ideia do que vai acontecer no cenário externo, que é cada vez mais preocupante, com risco de quadro recessivo. É grande a chance de o investidor estrangeiro procurar cada vez mais os mercados mais consolidados", disse.
Comentários CORRIGIR TEXTO