Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

MERCADO FINANCEIRO

- Publicada em 14h04min, 22/08/2019. Atualizada em 14h04min, 22/08/2019.

Maioria das Bolsas da Europa fecha em baixa, com economia global no radar

As bolsas europeias fecharam na maioria em território negativo nesta quinta-feira, 22. Sinais da economia global, sobretudo dos Estados Unidos, estiveram no radar. Além disso, investidores avaliaram dados da própria região e também a ata do Banco Central Europeu (BCE).
As bolsas europeias fecharam na maioria em território negativo nesta quinta-feira, 22. Sinais da economia global, sobretudo dos Estados Unidos, estiveram no radar. Além disso, investidores avaliaram dados da própria região e também a ata do Banco Central Europeu (BCE).
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em baixa de 0,40%, em 374,29 pontos.
Divulgada depois do fechamento de quarta-feira na Europa, a ata do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) reafirmou a expectativa de uma atuação mais branda da instituição, ao dizer que a maioria dos dirigentes viu o corte de juros da reunião passada como um ajuste de meio de ciclo, não como o início de uma série de reduções nas taxas.
A notícia pressionou os negócios na Europa, embora analistas tenham ponderado que, desde a última reunião do Fed, houve outros fatores negativos, como a mais recente rodada de tarifas americanas contra produtos da China e alguns dados fracos da economia global.
Nesse quadro, investidores aguardam declarações de dirigentes do Fed no simpósio anual de Jackson Hole, que começou nesta quinta. Em entrevista à rede CNBC, Patrick Harker, presidente do Fed da Filadélfia, afirmou que não existe necessidade de outro corte de juros agora nos EUA, o que não ajudou o apetite por risco nas bolsas.
Em meio às declarações, a curva dos juros dos Treasuries de 2 e 10 anos voltou a inverter, um sinal que pode prenunciar recessão futura nos EUA e também gera cautela.
Na agenda de indicadores dos EUA, o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) composto dos EUA caiu a 50,9 na preliminar de agosto, na mínima em três meses, segundo a IHS Markit. O PMI da indústria tocou 49,9, na mínima em 119 meses e indicando contração da atividade nessa pesquisa.
Na própria Europa, o PMI composto da zona do euro subiu de 51,5 em julho a 51,8 na prévia de agosto, quando analistas previam queda a 51,0. O PMI composto da Alemanha avançou a 51,4 em agosto. Um indicador da confiança do consumidor na zona do euro caiu a -7,1 na preliminar de agosto, ante previsão de -6,8. O ING aponta que os consumidores continuam a mostrar otimismo sobre suas finanças pessoais e seus trabalhos, mas pessimismo sobre a perspectiva econômica em geral.
Já no Reino Unido, continua o foco no processo de saída do país da União Europeia, o Brexit. Em entrevista coletiva em Paris, o presidente francês, Emmanuel Macron, e o premiê britânico, Boris Johnson, mostraram posições divergentes sobre a possibilidade de evitar controle na fronteira entre as Irlandas, um entrave para uma saída negociada.
Além disso, o BCE divulgou sua ata. Na avaliação da Oxford Economics, o documento mostrou a "crescente preocupação" dos dirigentes sobre o crescimento e, particularmente, com a perspectiva para a inflação, num quadro de incerteza com o comércio global e a indústria. "O argumento por uma resposta da política monetária tem se fortalecido desde julho", acredita a consultoria.
Na Bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em baixa de 1,05%, a 7.128,18 pontos. Ações de exportadoras foram pressionadas pela libra mais forte. Em Frankfurt, o índice DAX recuou 0,47%, a 11.747,04 pontos. Entre as mais negociadas na bolsa alemã, E.ON caiu 1,03% e Deutsche Telekom, 0,36%, mas Deutsche Bank ganhou 1,94%.
Em Paris, o índice CAC-40 registrou baixa de 0,87%, a 5.388,25 pontos. Na Bolsa de Milão, o índice FTSE-MIB caiu 0,14%, a 20.816,99 pontos.
Na contramão da maioria, o índice Ibex-35 subiu 0,17% na Bolsa de Madri, a 8.716,40 pontos, e em Lisboa o índice PSI-20 avançou 0,08%, a 4.857,10 pontos.
Comentários CORRIGIR TEXTO