Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Consumo

- Publicada em 03h11min, 21/08/2019. Atualizada em 03h00min, 21/08/2019.

Movimento do comércio cai 0,7% em julho ante junho, mostra a Boa Vista

O Indicador de Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, recuou 0,7% em julho ante junho, já descontados os efeitos sazonais, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista. Em junho, o movimento havia crescido 1,3%, o único dado positivo deste ano. Em relação a julho de 2018, também houve contração, de 3,7%, enquanto em 12 meses houve desaceleração, com alta de 1,2%.
O Indicador de Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, recuou 0,7% em julho ante junho, já descontados os efeitos sazonais, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista. Em junho, o movimento havia crescido 1,3%, o único dado positivo deste ano. Em relação a julho de 2018, também houve contração, de 3,7%, enquanto em 12 meses houve desaceleração, com alta de 1,2%.
O alto nível de desemprego, a subutilização da mão de obra, a menor confiança e o tímido crescimento da renda continuam sendo os principais entraves para uma evolução mais robusta do comércio.
"Apesar das condições favoráveis do mercado de crédito, o endividamento em alta também parece comprometer uma retomada mais acelerada dos empréstimos e, consequentemente, das vendas", diz a instituição, ponderando que a liberação do FGTS pode animar o setor.
A expectativa é que a medida comece a ter impactos significativos no comércio a partir de setembro, quando começam os saques. "Ainda assim, trata-se de uma ação pontual e com efeitos temporários, que rapidamente se dissiparão - assim como em 2017 - sem uma melhora substancial da dinâmica do mercado de trabalho."
Por setores, o recuo mensal do indicador foi puxado por móveis e eletrodomésticos (-2%), e por supermercado, alimentos e bebidas (-0,8%). Já a categoria tecidos, vestuários e calçados cresceu 1,3% em julho ante junho.
Comentários CORRIGIR TEXTO