Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Sistema Financeiro

- Publicada em 03h00min, 20/08/2019. Atualizada em 03h00min, 20/08/2019.

Bolsonaro assina MP que transfere Coaf para o BC

Bolsonaro deve assinar uma medida provisória que põe o órgão dentro da estrutura do Banco Central

Bolsonaro deve assinar uma medida provisória que põe o órgão dentro da estrutura do Banco Central


PEDRO LADEIRA/AFP/JC
O presidente Jair Bolsonaro assinou na noite desta segunda-feira, (19), a medida provisória que transfere o Conselho de Controle de Atividade Financeira (Coaf) do Ministério da Economia para o Banco Central (BC). a MP, que deve ser publicada nesta terça-feira (20).
O presidente Jair Bolsonaro assinou na noite desta segunda-feira, (19), a medida provisória que transfere o Conselho de Controle de Atividade Financeira (Coaf) do Ministério da Economia para o Banco Central (BC). a MP, que deve ser publicada nesta terça-feira (20).
O órgão passará a se chamar Unidade de Inteligência Financeira (UIF, sigla informal que não consta da norma). "O novo ente será vinculado ao Banco Central do Brasil e responderá à Diretoria Colegiada do Banco Central, mas não será, exatamente, parte integrante da estrutura do Banco Central do Brasil e terá autonomia técnica e operacional", diz o governo em nota.
Segundo a nota, o Ministério da Economia e o Ministério da Justiça e Segurança Pública "prestarão apoio administrativo" ao UIF num período de transição. "Continuará havendo Conselho Deliberativo para definir diretrizes estratégicas e para julgar processos administrativos sancionadores."
A sessão de julgamento do Coaf que seria realizada nesta quarta-feira (21) foi cancelada. Na ocasião, o órgão iria analisar 16 processos administrativos sancionadores contra empresas. Apesar do conselho ter sido devolvido para o Ministério da Economia, por decisão do Congresso Nacional, os atos do Coaf continuaram publicados na página do Ministério da Justiça e Segurança Pública, de Sérgio Moro, a quem o governo queria manter o órgão subordinado.
Em Brasília, o nome mais cotado para assumir a chefia do novo órgão é o do atual diretor de Supervisão do Coaf, Ricardo Liáo, que poderá assumir a presidência do conselho no lugar do auditor fiscal Roberto Leonel, que foi uma nomeação de Moro. A indicação de Liáo seria uma forma de garantir continuidade na administração. Isso porque ele já faz parte da estrutura do conselho, formada por cinco servidores. Liáo é o único na cúpula do Coaf que é servidor de carreira do BC. Os outros quatro integrantes são da Receita Federal.
Oficialmente, a decisão de Bolsonaro de transferir o Coaf da Economia para o BC tem como objetivo reduzir a influência política no órgão, que é responsável pela identificação de ocorrências suspeitas e atividades ilícitas no sistema financeiro. A mudança, porém, surge na esteira de declarações do atual presidente, Roberto Leonel, que desagradaram o Planalto.
Em dezembro de 2018, foi revelado que um relatório do Coaf apontava para uma movimentação financeira "atípica" do ex-assessor do hoje senador Flávio Bolsonaro (PSL) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro Fabrício Queiroz. Segundo o relatório, Queiroz teria movimentado R$ 1,2 milhão em sua conta no período de um ano, entre janeiro de 2016 a 2017. O Ministério Público do Rio abriu investigação para apurar a suspeita de ocorrência de 'rachadinha', prática em que o servidor repassa parte ou a totalidade de seu salário ao político responsável por sua nomeação. Queiroz e Flávio negam qualquer irregularidade.
Em junho, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, atendeu a um pedido da defesa de Flávio e suspendeu todos os processos judiciais que tramitam no País em que houve compartilhamento de dados da Receita Federal, do Coaf e do BC com o Ministério Público (MP) sem prévia autorização judicial. A defesa de Flávio alegou que o MP utilizou o Coaf como "atalho" para realizar uma "devassa, de mais de uma década, nas movimentações bancárias e financeiras" do senador.
Comentários CORRIGIR TEXTO