Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 19 de agosto de 2019.
Dia Mundial da Fotografia.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado financeiro

19/08/2019 - 18h23min. Alterada em 19/08 às 18h28min

Ibovespa fecha em baixa de 0,34%, na contramão dos ganhos em Nova Iorque

A alta de 1,58% do dólar foi um dos principais sintomas da fuga de recursos externos no pregão

A alta de 1,58% do dólar foi um dos principais sintomas da fuga de recursos externos no pregão


SUAMY BEYDOUN /AGIF/FOLHAPRESS/JC
Estadão Conteúdo
Com sinais de migração de recursos para ativos mais conservadores, o Índice Bovespa não conseguiu acompanhar o bom desempenho das bolsas de Nova Iorque e fechou em baixa de 0,34% nesta segunda-feira, aos 99.468,67 pontos. Pela manhã, o índice havia chegado a subir 1,14%. A alta de 1,58% do dólar foi um dos principais sintomas da fuga de recursos externos no pregão. Apesar da melhora na percepção de risco para a economia global, o investidor manteve a cautela nos mercados emergentes e o real foi a moeda que mais se desvalorizou ante o dólar.
Com sinais de migração de recursos para ativos mais conservadores, o Índice Bovespa não conseguiu acompanhar o bom desempenho das bolsas de Nova Iorque e fechou em baixa de 0,34% nesta segunda-feira, aos 99.468,67 pontos. Pela manhã, o índice havia chegado a subir 1,14%. A alta de 1,58% do dólar foi um dos principais sintomas da fuga de recursos externos no pregão. Apesar da melhora na percepção de risco para a economia global, o investidor manteve a cautela nos mercados emergentes e o real foi a moeda que mais se desvalorizou ante o dólar.
"Há muitas coisas que afetam os mercados emergentes acontecendo ao mesmo tempo. A Argentina é um desses fatores, pois o país está lotado de problemas, mas não tem liquidez, o que acaba por afetar o Brasil", disse Alvaro Bandeira, economista da Modalmais.
Mesmo com os mercados argentinos fechados, os ADRs (American Depositary Receipts) da Argentina registraram fortes perdas na Nasdaq. No final de semana, o ministro da Fazenda, Nicolás Dujovne, pediu demissão do cargo. Já o candidato kichnerista Alberto Fernández, que lidera as intenções de voto no país, disse que o acordo firmado pelo atual governo para pagamento de dívidas junto ao FMI é impossível de ser cumprido. Ao final da tarde, o ADR da Telecom Argentina caía mais de 7%.
Para o analista Victor Beyruti, da Guide Investimentos, os sinais de que a economia dos Estados Unidos segue robusta e que as relações com a China podem melhorar vêm reforçando o papel de "porto seguro" do dólar perante ativos de maior risco. Não à toa que o noticiário positivo da manhã levou o dólar a se fortalecer ante moedas fortes e emergentes.
"Esse dólar bastante forte lá fora indica que há aversão ao risco, uma vez que o investidor vê robustez na economia americana e grande incerteza nas demais", afirma. Além disso, ressalta o analista, o cenário doméstico brasileiro não tem um "driver" que faça o investidor olhar para o Brasil com "mais carinho".
Toda a agitação dos últimos dias com o noticiário envolvendo guerra comercial entre Estados Unidos e China e indicadores econômicos fracos na Europa vem castigando principalmente as ações do setor de materiais básicos. Nesta segunda a alta dos preços do petróleo favoreceu a recuperação das ações da Petrobras, que subiram 0,50% (PN) e 1,36% (ON). No acumulado de agosto, no entanto, elas contabilizam perdas superiores a 6%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia