Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de agosto de 2019.
Dia do Controle de Poluição Industrial.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Consumo

Edição impressa de 14/08/2019. Alterada em 14/08 às 03h00min

Demanda por crédito sobe 8% no primeiro semestre

Procura por recursos cresceu em todas as regiões, segundo a Serasa

Procura por recursos cresceu em todas as regiões, segundo a Serasa


/USP IMAGENS/DIVULGAÇÃO/JC
A quantidade de consumidores que buscou crédito durante o primeiro semestre deste ano cresceu 7,8% em relação ao mesmo período de 2018, de acordo com o Indicador Serasa Experian de Demanda do Consumidor por Crédito. Quando comparado a junho do ano passado, o índice também apresentou um aumento de 9,9%.
A quantidade de consumidores que buscou crédito durante o primeiro semestre deste ano cresceu 7,8% em relação ao mesmo período de 2018, de acordo com o Indicador Serasa Experian de Demanda do Consumidor por Crédito. Quando comparado a junho do ano passado, o índice também apresentou um aumento de 9,9%.
Apesar da alta, ela é menor do que o crescimento apresentado no 1º semestre de 2018 (11,1%). Segundo o economista da Serasa Experian, Luiz Rabi, este crescimento abaixo do ano anterior foi influenciado pela alta da inflação em janeiro, fevereiro e março, puxada principalmente por alimentos e combustíveis. "O movimento fez com que as famílias optassem por priorizar pagar as contas domésticas, ao invés de buscar crédito. O movimento começou a se inverter em abril e teve sua principal melhora em junho/19, quanto a inflação foi de 0,01%, o menor patamar do ano. Com isso, as pessoas se sentiram mais confiantes para procurar por crédito e a alta registrada foi similar ao mesmo período de 2018 - 9,8% e 9,9%, respectivamente", comenta.
Ainda no acumulado do primeiro semestre, em comparação com o mesmo período do ano passado, todas as regiões apresentaram avanço na procura do consumidor por crédito, mas pela primeira vez a região Sudeste foi a que menos cresceu, apresentando uma alta de 5,3%. Enquanto isso, o Centro-Oeste aumentou em 13,4% na comparação com o mesmo período do ano passado, seguido pela região Norte com 12,1%, Nordeste com 10% e Sul com 8,2%.
Na comparação com o acumulado dos primeiros seis meses do ano passado, a demanda por crédito apresentou variações positivas em todas as faixas de renda: houve um aumento de 8,3% para quem recebe até R$ 500,00 por mês; outro de 9% para quem ganha entre R$ 500,00 e R$ 1 mil mensais; e 7,1% para os que recebem entre R$ 1 mil e R$ 2 mil por mês.
Além disso, quando analisamos as rendas acima de R$ 2 mil, a procura por crédito foi semelhante. Para a faixa de renda entre R$ 2 mil e R$ 5 mil mensais a demanda foi 6,5%; 6,1% para o consumidor com renda entre R$ 5 mil e R$ 10 mil por mês e, também, para quem ganha mais de R$ 10 mil.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia