Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de agosto de 2019.
Dia do Economista .

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

energia

13/08/2019 - 16h30min. Alterada em 13/08 às 16h30min

Itaipu tem maior produtividade da história no mês de julho

Segundo informações da Itaipu Binacional, no período o desperdício de água foi irrisório

Segundo informações da Itaipu Binacional, no período o desperdício de água foi irrisório


ALEXANDRE MARCHETTI/ITAIPU BI/DIVULGAÇÃO/JC
Agência Brasil
A Usina de Itaipu registrou a mais alta taxa de produtividade da história para o período de um mês em julho deste ano. Esta taxa é resultado da relação entre a produção de energia e a água que passa pelas turbinas. Foram produzidos 1,100 mil megawatts médios por metro cúbico de água por segundo (MWmed/m³/s) no mês. O recorde anterior, de 1,098 MWmed/m³/s, era de julho de 2018.
A Usina de Itaipu registrou a mais alta taxa de produtividade da história para o período de um mês em julho deste ano. Esta taxa é resultado da relação entre a produção de energia e a água que passa pelas turbinas. Foram produzidos 1,100 mil megawatts médios por metro cúbico de água por segundo (MWmed/m³/s) no mês. O recorde anterior, de 1,098 MWmed/m³/s, era de julho de 2018.
Segundo informações da Itaipu Binacional, no período o desperdício de água foi irrisório. Dentre os fatores que contribuíram para o resultado estão o menor nível de água que chegou ao reservatório, o que favoreceu o aproveitamento de cada metro cúbico de matéria-prima em megawatt.
Outro fator, segundo a companhia, foi o gerenciamento das variáveis envolvidas no processo de geração de energia como demanda, estoque de água e disponibilidade das máquinas e da transmissão.
O recorde anterior, de julho do ano passado, foi obtido 28 anos depois da melhor marca que foi registrada em setembro de 1991 (1,087 MWmed/m³/s). Esse valor foi superado em maio, junho e julho do ano passado.
No acumulado parcial, 2019 também está sendo o melhor ano do histórico. Até julho, a produtividade acumulada era de 1,072 MWmed/m³/s. A melhor marca anual registrada no período havia ocorrido em 1986, com 1,060 MWmed/m³/s.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia