Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de agosto de 2019.
Dia do Economista .

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado financeiro

Alterada em 13/08 às 08h21min

Bolsas asiáticas fecham em baixa generalizada, com Hong Kong e EUA-China no radar

Estadão Conteúdo
As bolsas asiáticas fecharam em baixa generalizada nesta terça-feira (13), à medida que preocupações com a onda de manifestações em Hong Kong, as tensões comerciais entre Estados Unidos e China e o cenário político na Argentina prejudicaram a demanda por ativos considerados mais arriscados, como ações.
As bolsas asiáticas fecharam em baixa generalizada nesta terça-feira (13), à medida que preocupações com a onda de manifestações em Hong Kong, as tensões comerciais entre Estados Unidos e China e o cenário político na Argentina prejudicaram a demanda por ativos considerados mais arriscados, como ações.
O aeroporto de Hong Kong, um dos mais movimentados do mundo, foi reaberto hoje depois de ter suas operações impedidas por um protesto ao longo da segunda-feira (12).
Hong Kong tem sido palco de manifestações há 10 fins de semana consecutivos. O que começou como um ato popular contra um projeto de lei que permitiria extradições para a China acabou se transformando no maior desafio da autoridade de Pequim sobre o território semiautônomo desde que seu controle foi devolvido aos chineses pelo Reino Unido em 1997.
O índice Hang Seng terminou os negócios desta terça em Hong Kong com expressiva queda de 2,1%, a 25.281,30 pontos. Na China continental, o Xangai Composto caiu 0,63%, a 2.797,26 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto recuou 0,69% a 1.498,63 pontos.
O sentimento na Ásia já estava fraco em meio a crescentes sinais de que Estados Unidos e China não vão conseguir resolver sua longa disputa comercial no curto prazo.
Investidores também estão atentos à Argentina, onde uma eleição prévia realizada no fim de semana mostrou a derrota do presidente Mauricio Macri para o candidato kirchnerista ao governo federal, Alberto Fernández, levando o peso argentino e a bolsa do país a despencar ontem.
Em Tóquio, o Nikkei voltou hoje de um feriado nacional no Japão com baixa de 1,11%, a 20.455,44 pontos. Em outras partes da Ásia, o sul-coreano Kospi caiu 0,85% em Seul, a 1.925,83 pontos, interrompendo uma sequência de três pregões de ganhos, enquanto o Taiex cedeu 1,05% em Taiwan, a 10.362,66 pontos. Ontem, a Coreia do Sul decidiu retirar do Japão a classificação de parceiro comercial preferencial.
Na Oceania, a bolsa da Austrália deu fim a uma série de quatro sessões positivas, pressionada por ações de bancos, petrolíferas e empresas ligadas a consumo e ao setor de saúde. O S&P/ASX 200 recuou 0,33% em Sydney, a 6.568,50 pontos. Com informações da Dow Jones Newswires.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia