Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 08 de setembro de 2019.
Dia Mundial da Alfabetização.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Terceira idade

11/08/2019 - 18h39min. Alterada em 08/09 às 09h53min

Chineses erguem condomínios exclusivos para idosos

Áreas têm apartamentos de diversos tamanhos e equipamentos comuns para atividades de lazer

Áreas têm apartamentos de diversos tamanhos e equipamentos comuns para atividades de lazer


PATRÍCIA COMUNELLO/ESPECIAL/JC
Patrícia Comunello
A China encontrou um caminho do seu jeito para resolver um problema que está presente em todo o mundo: onde ficarão os idosos que vivem sozinhos, pois os filhos não têm mais como estar por perto ou não têm tempo para cuidá-los.
A China encontrou um caminho do seu jeito para resolver um problema que está presente em todo o mundo: onde ficarão os idosos que vivem sozinhos, pois os filhos não têm mais como estar por perto ou não têm tempo para cuidá-los.
Condomínios verticais privados com diversos edifícios são erguidos para receber moradores para temporadas curtas ou permanentes. As áreas têm apartamentos de diversos tamanhos e equipamentos comuns para lazer, atividades terapêuticas, fisioterapia, pomar e até caverna com piscinas com água quente, chamado de balneário medicinal.
> VÍDEOS JC: Conheça um dos condomínios de idosos na cidade de Yingkou  
“Eles vêm uma primeira vez, gostam da experiência e voltam para ficar”, conta Chen li jie, funcionária de um dos empreendimentos que fica em Yingkou, cidade portuária da província de Liaoning, no nordeste da China.
A instituição de pensão Qin Heyuan está implantando um megaempreendimento em um bairro de Yingkou, que está sendo erguido em módulos. Serão 400 mil metros quadrados construídos quando o condomínio estiver completo, com investimento de 2 bilhões de yuans, cerca de R$ 1 bilhão.
Os 200 apartamentos dos prédios que já estão prontos estão todos ocupados, diz li jie. Nas unidades, estão 300 pessoas, 90% delas de casais. Outras unidades estão em construção e abrirão vagas para mais 700 pessoas. O complexo terá no futuro áreas comerciais, garantindo suporte mais completo aos habitantes.
O casal de aposentados Zhu xichang, 80 anos, e Gao guilan, 77 anos - o sobrenome vem antes do nome na China -, paga 5 mil yuans (cerca de R$ 2,5 mil) por mês para viver no residencial.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/08/11/206x137/1_ad6a7e04_36c5_47a1_b327_2522557ea90e-8805688.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5d508a86da474', 'cd_midia':8805688, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/08/11/ad6a7e04_36c5_47a1_b327_2522557ea90e-8805688.jpg', 'ds_midia': 'casal de aposentados Zhu xichang, 80 anos (esquerda), e mulher Gao guilan, 77 anos', 'ds_midia_credi': 'PATRÍCIA COMUNELLO/ESPECIAL/JC', 'ds_midia_titlo': 'casal de aposentados Zhu xichang, 80 anos (esquerda), e mulher Gao guilan, 77 anos', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '600', 'align': 'Left'}
Casal de aposentados Zhu xichang, 80 anos (esquerda), e mulher Gao guilan, 77 anos. Foto Patrícia Comunello/Especial/JC
“Estamos muito felizes aqui, nossa alimentação é muito boa”, comenta Zhu, com muita simpatia. Ele conta que os dois tiveram uma primeira passagem pelo lugar para uma temporada de dois anos e acabaram voltando para uma estadia definitiva.
“Na cidade onde residimos, em Jin zhou, morávamos sozinhos. Temos duas filhas, mas uma se mudou agora para o Canadá. A outra reside na nossa cidade natal”, explica o morador. Os dois conversam com as filhas por meio da internet e em transmissões por webcam uma vez por semana:
A funcionária esclarece que o valor por mês varia conforme o tamanho do apartamento. Alguns ocupantes relatam que pagam 7 mil yuans (R$ 3,5 mil). No verão, que é a atual e estação de férias na China, tem valor mais elevado, acrescenta li jie.
Em um dos prédios, estão diversas estruturas. Há áreas de jogos e pintura, para apresentações com piano para residentes que dominam o instrumento. “Eles têm muita atividade para ocupar o tempo”, lembra a funcionária.
Também há salas com equipamentos para atividades motoras, dependendo da condição e até limitações do idoso, e para fisioterapia. Profissionais fazem o acompanhamento dos usuários. O residencial não recebe pessoas que estão com doenças mais avançadas.
A estrutura tem 200 pessoas trabalhando, muitas delas especialistas, como médicos e outros profissionais de saúde. O empreendimento recebe moradores de todo o país, completa li jie. A cidade natal de Zhu e a mulher fica no oeste da China.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia