Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de agosto de 2019.
Dia Internacional dos Povos Indígenas.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 09/08 às 17h40min

Ouro fecha em leve baixa, mas segue acima de US$ 1.500 a onça-troy

Metal encerrou cotado a US$ 1.508,50 por onça-troy

Metal encerrou cotado a US$ 1.508,50 por onça-troy


DON EMMERT/AFP/JC
Estadão Conteúdo
O contrato futuro de ouro fechou em leve baixa, nesta sexta-feira (9). O metal manteve-se, porém, acima da marca de US$ 1.500 a onça-troy, apoiado nesta semana pela cautela com o comércio entre Estados Unidos e China e pela postura dos bancos centrais, com tendência de relaxamento monetário no quadro atual de perda de fôlego na economia do mundo.
O contrato futuro de ouro fechou em leve baixa, nesta sexta-feira (9). O metal manteve-se, porém, acima da marca de US$ 1.500 a onça-troy, apoiado nesta semana pela cautela com o comércio entre Estados Unidos e China e pela postura dos bancos centrais, com tendência de relaxamento monetário no quadro atual de perda de fôlego na economia do mundo.
O ouro para dezembro registrou queda de 0,07%, a US$ 1.508,50 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex). Na comparação semanal, o contrato subiu 3,50%.
Nesta semana, o ouro atingiu máxima desde abril de 2013, no cenário de maior busca por segurança entre investidores. Hoje, ele chegou a subir durante parte do pregão, mas terminou o dia em baixa modesta.
O dólar mais fraco ante outras moedas principais apoiou o ouro, já que nesse caso o metal fica mais barato para os detentores das demais divisas. Por outro lado, o contrato não teve muito fôlego, nos níveis atuais. Em relatório, o Commerzbank afirma que a produção de ouro caiu mais rapidamente do que a demanda na China, o que torna o país dependente de importações do metal e ajuda a apoiar os preços.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia