Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de agosto de 2019.
Dia Internacional dos Povos Indígenas.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Balanço

Alterada em 09/08 às 09h02min

BRF tem lucro líquido de R$ 191 milhões no 2º trimestre

Companhia possui marcas do ramo alimentício como Perdigão, Sadia e Qualy

Companhia possui marcas do ramo alimentício como Perdigão, Sadia e Qualy


NELSON ALMEIDA/AFP/JC
Estadão Conteúdo
A BRF registrou lucro líquido de R$ 191 milhões no segundo trimestre de 2019, revertendo prejuízo de R$ 1,435 bilhão no mesmo período de 2018, informou a companhia nesta sexta-feira (9). A receita líquida ficou em R$ 8,338 bilhões no trimestre, alta anual de 18,0%.
A BRF registrou lucro líquido de R$ 191 milhões no segundo trimestre de 2019, revertendo prejuízo de R$ 1,435 bilhão no mesmo período de 2018, informou a companhia nesta sexta-feira (9). A receita líquida ficou em R$ 8,338 bilhões no trimestre, alta anual de 18,0%.
O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado ficou em R$ 1,547 bilhão, avanço de 333,9% ante o segundo trimestre do ano anterior, com margem de 18,6%, maior que a de 5,0% um ano atrás. A empresa destacou que o Ebitda teve o efeito de R$ 157 milhões do IFRS 16, adotado a partir de 1 de janeiro de 2019.
O dado inclui ainda o impacto negativo de uma provisão referente ao recolhimento de ICMS sobre produtos da cesta básica, de cerca de R$ 360 milhões no Ebitda e de R$ 390 milhões no resultado financeiro, e a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins, de R$ 690 milhões e R$ 340 milhões, respectivamente. O efeito líquido desses lançamentos gerou um ganho de R$ 328 milhões no Ebitda ajustado do segundo trimestre. O resultado financeiro foi uma despesa de R$ 619 milhões, 18,0% menor que no mesmo período do ano passado.
A alavancagem - relação entre dívida líquida e Ebitda ajustado - teve queda expressiva de março para junho, indo de 5,64 vezes a 3,73 vezes. "Esse movimento reflete a disciplina de execução do nosso Plano de Reestruturação Operacional e Financeira iniciada no segundo semestre do ano passado, além da expansão das margens operacionais da Companhia, que fecharam o trimestre acima dos níveis históricos", diz a BRF em comunicado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia