Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de agosto de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

08/08/2019 - 14h33min. Alterada em 08/08 às 14h35min

FGTS terá impacto de curto prazo mais forte do que estão prevendo, diz secretário

30% da população do Nordeste e em São Paulo, 28 milhões de pessoas serão afetadas

30% da população do Nordeste e em São Paulo, 28 milhões de pessoas serão afetadas


JONATHAN HECKLER/JC
Estadão Conteúdo
O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, afirmou nesta quinta-feira (8), que a medida que libera saques do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) vai ter impacto muito mais forte na economia do que alguns estão prevendo. "É claro que é uma medida de curto prazo", disse ele em debate durante evento do BTG Pactual.
O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, afirmou nesta quinta-feira (8), que a medida que libera saques do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) vai ter impacto muito mais forte na economia do que alguns estão prevendo. "É claro que é uma medida de curto prazo", disse ele em debate durante evento do BTG Pactual.
Sachsida citou números mostrando que as medidas vão afetar número importante de pessoas no Brasil: 30% da população do Nordeste e em São Paulo, 28 milhões de pessoas serão afetadas, apenas com a liberação inicial dos R$ 500.
"Essa medida vai ter impacto maior do que alguns estão esperando", afirmou o secretário, ressaltando que a medida corrige a má alocação de R$ 40 bilhões, depositados no FGTS.
"Estamos esperando impacto razoável de crescimento com essas medidas", disse ele, pedindo aos analistas, empresários e economistas presentes no evento do BTG que "vejam com um pouco mais de atenção e façam a separação por Estado" para avaliar os impactos.
Sachsida disse que no Distrito Federal, 53% da população vai ser afetada pela medida.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia