Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de agosto de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Edição impressa de 08/08/2019. Alterada em 08/08 às 03h00min

Audiência sobre agrotóxicos é remarcada para o dia 21 de agosto

A audiência na Câmara dos Deputados que discutiria nesta quarta-feira, a liberação de agrotóxicos no País foi remarcada para o dia 21 de agosto. Organizada a pedido do deputado Ivan Valente (PSOL-SP), a reunião contaria com a presença dos ministros Luiz Henrique Mandetta (Saúde) e Tereza Cristina Correa (Agricultura, Pecuária e Abastecimento). A decisão foi adotada em virtude da votação da reforma da Previdência.
A audiência na Câmara dos Deputados que discutiria nesta quarta-feira, a liberação de agrotóxicos no País foi remarcada para o dia 21 de agosto. Organizada a pedido do deputado Ivan Valente (PSOL-SP), a reunião contaria com a presença dos ministros Luiz Henrique Mandetta (Saúde) e Tereza Cristina Correa (Agricultura, Pecuária e Abastecimento). A decisão foi adotada em virtude da votação da reforma da Previdência.
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, havia solicitado a suspensão de todas as reuniões deliberativas. Em tese, a audiência poderia ser realizada, mas a ministra da Agricultura se licenciou do cargo para participar da votação da reforma da Previdência.
O presidente da República, Jair Bolsonaro, disse que o Brasil é um dos países que menos usa agrotóxicos e que as liberações recentes do Ministério da Agricultura para mais aditivos desse tipo têm ocorrido para introduzir produtos mais modernos. "Se estivéssemos envenenando os nossos produtos, o mundo não os compraria. É simples! Nós somos país que menos usa agrotóxicos na agricultura. Por que novos agrotóxicos? Para substituir os anteriores. Quem que não quer mudar de carro para um carro mais moderno?", comentou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia