Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de agosto de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Desenvolvimento

Edição impressa de 08/08/2019. Alterada em 08/08 às 03h00min

MP da Liberdade Econômica será votada na próxima semana

Jerônimo Goergen não planeja mudanças no conteúdo do texto

Jerônimo Goergen não planeja mudanças no conteúdo do texto


MARCELO G. RIBEIRO/JC
O relator da Medida Provisória da Liberdade Econômica, deputado Jerônimo Goergen (PP-RS), disse nesta quarta-feira (7) que a MP será votada no plenário da Câmara dos Deputados na próxima semana. "Confirmado que vota na semana que vem. Teremos a Lei da liberdade econômica."
O relator da Medida Provisória da Liberdade Econômica, deputado Jerônimo Goergen (PP-RS), disse nesta quarta-feira (7) que a MP será votada no plenário da Câmara dos Deputados na próxima semana. "Confirmado que vota na semana que vem. Teremos a Lei da liberdade econômica."
O texto foi aprovado em julho pela Comissão Especial, e precisa ser validado pelo Congresso para não caducar. A MP traz pontos como a retirada de todo o tipo de licença e alvará para atividades de baixo risco e prazo para a concessão para outras atividades, redução de burocracia para startups e pequenas empresas, impedimento de que fiscais tratem dois cidadãos em situações similares de forma diferente, entre outros.
O relator não planeja mudanças no conteúdo do texto, apenas ajustes para evitar polêmicas desnecessárias, segundo ele. "Não mexe nada de conteúdo, mais ajuste para não ter polêmica, em alguns pontos que não precise. Por exemplo, se é um problema de constitucionalidade em algum item, nós não vamos nem trazer para cá. É uma polêmica a menos", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia