Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 07 de agosto de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

07/08/2019 - 16h51min. Alterada em 07/08 às 16h51min

Ouro fecha em alta com cautela e BCs e atinge máximas desde abril de 2013

O ouro para dezembro fechou com ganho de 2,39%, a US$ 1.519,60 a onça-troy

O ouro para dezembro fechou com ganho de 2,39%, a US$ 1.519,60 a onça-troy


DON EMMERT/AFP/JC
Estadão Conteúdo
O ouro fechou em território positivo nesta quarta-feira (7), novamente apoiado pelo ambiente de cautela nos mercados globais. Segundo o Commerzbank, o metal atingiu máximas desde abril de 2013, em meio às tensões comerciais entre Estados Unidos e China. Além disso, a tendência de que bancos centrais cortem juros leva para baixo os retornos dos bônus soberanos, o que também ajuda a apoiar o metal.
O ouro fechou em território positivo nesta quarta-feira (7), novamente apoiado pelo ambiente de cautela nos mercados globais. Segundo o Commerzbank, o metal atingiu máximas desde abril de 2013, em meio às tensões comerciais entre Estados Unidos e China. Além disso, a tendência de que bancos centrais cortem juros leva para baixo os retornos dos bônus soberanos, o que também ajuda a apoiar o metal.
O ouro para dezembro fechou com ganho de 2,39%, a US$ 1.519,60 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).
O banco alemão argumenta que o ouro deve ter se beneficiado pelos cortes de juros adotados pelos bancos centrais de Nova Zelândia e Índia. O Scotiabank faz avaliação similar, ao destacar em nota a força do metal diante da queda nas expectativas de juro real. Há ainda a avaliação entre investidores de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) deve cortar mais os juros neste ano. Nesta quarta, o presidente do Fed de Chicago, Charles Evans, argumentou que os ventos contrários trazidos pelo comércio global podem justificar mais reduções nos juros nos EUA.
No câmbio, o dólar mais fraco em relação a outras moedas fortes também colaborou para o movimento no ouro, que nesse caso fica mais barato para os detentores de outras divisas, o que apoia a demanda.
O metal tem sido impulsionado também pela cautela com o quadro comercial. Nesta quarta, o presidente americano, Donald Trump, voltou a criticar a China e alegou que o país teria "admitido" ser um "manipulador cambial", o que Pequim tem negado publicamente com veemência. Trump ainda disse que os chineses desejam fazer um acordo comercial, mas investidores não veem sinais de que isso esteja mais próximo, no atual ambiente de tensões.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia