Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 02 de agosto de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

petróleo

02/08/2019 - 16h56min. Alterada em 02/08 às 16h56min

Petróleo sobe em meio a tentativa de recuperar perdas e recuo em produção

Petróleo WTI para entrega em setembro negociado na New York Mercantile Exchange fechou em alta

Petróleo WTI para entrega em setembro negociado na New York Mercantile Exchange fechou em alta


ADEK BERRY/AFP/JC
Estadão Conteúdo
Os contratos futuros de petróleo encerraram o pregão desta sexta-feira (2), em alta, em tentativa de se recuperar parcialmente das perdas acentuadas verificadas na quinta-feira, após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciar a imposição de novas tarifas à China.
Os contratos futuros de petróleo encerraram o pregão desta sexta-feira (2), em alta, em tentativa de se recuperar parcialmente das perdas acentuadas verificadas na quinta-feira, após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciar a imposição de novas tarifas à China.
O petróleo WTI para entrega em setembro negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) fechou em alta de 3,17%, a US$ 55,66 o barril. Na semana, no entanto, o recuo foi de 0,96%. Já o petróleo Brent para o mesmo mês na Intercontinental Exchange (ICE) teve alta de 2,30%, a US$ 61,89. Contudo, o contrato cedeu 2,47% na semana.
A commodity energética tenta se recuperar das perdas da sessão anterior, pregão no qual o petróleo despencou quase 8% após o Trump declarar que pretende impor tarifa de 10% sobre US$ 300 bilhões em produtos chineses.
Para a economista da The Economist Cailin Birch, a nova medida tarifária da Casa Branca tende a ser mais impactante que as anteriores. "Ao contrário de rodadas tarifárias anteriores, os bens que serão afetados agora incluem, principalmente, produtos acabados, o que significa que o impacto sobre os consumidores americanos será mais direto", afirma a especialista. "Isso obscurece as perspectivas de crescimento econômico nos EUA e na China e, portanto, na demanda global de petróleo", completa, pensando nos preços da commodity energética a longo prazo, se os conflitos comerciais não se resolverem.
Além disso, a Baker Hughes, companhia que presta serviços no setor petrolífero nos EUA, informou nesta sexta-feira que o número de poços e plataformas em atividade no país caiu 6 na última semana, a 770.
Em relatório divulgado a clientes, o ING afirma que continua a ter uma visão positiva em relação ao petróleo. "Continuamos a ter uma visão construtiva com os cortes de oferta da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e as sanções sobre o Irã, embora o sentimento geral seja claramente pessimista, como resultado das preocupações macroeconômicas e comerciais mais amplas", diz o banco. / Com informações da Dow Jones Newswires.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia