Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 31 de julho de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

31/07/2019 - 15h34min. Alterada em 31/07 às 15h34min

Carga de energia elétrica cresce 0,4% em junho ante junho de 2018, diz ONS

Maior queda foi registrada pelo subsistema Nordeste, seguido pelo Sudeste/Centro-Oeste e Sul

Maior queda foi registrada pelo subsistema Nordeste, seguido pelo Sudeste/Centro-Oeste e Sul


CNI/DIVULGAÇÃO/JC
Estadão Conteúdo
A carga de energia elétrica no Sistema Interligado Nacional (SIN) somou 63.795 MW médios em junho, o que corresponde a um crescimento de 0,4% em relação com o mesmo mês do ano passado, informou nesta quarta-feira (31), o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Na comparação com maio, a carga teve uma redução de 4,8%, enquanto no acumulado dos últimos 12 meses a carga apresentou uma variação positiva de 2,4% ante o período anterior.
A carga de energia elétrica no Sistema Interligado Nacional (SIN) somou 63.795 MW médios em junho, o que corresponde a um crescimento de 0,4% em relação com o mesmo mês do ano passado, informou nesta quarta-feira (31), o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Na comparação com maio, a carga teve uma redução de 4,8%, enquanto no acumulado dos últimos 12 meses a carga apresentou uma variação positiva de 2,4% ante o período anterior.
Segundo o operador, o crescimento foi impulsionado pela ocorrência de temperaturas acima da média em todo o País, mas o menor número de dias úteis e o baixo dinamismo da economia limitaram a expansão. Ajustado ao efeito calendário de menor número de dias úteis, a carga apresentou alta de 1,6%.
"Os indicadores recentes da atividade econômica continuam indicando que a retomada do processo de recuperação da economia brasileira deverá ocorrer de maneira gradual. A percepção sobre a situação atual dos negócios na indústria piorou em junho após dois meses de sinais positivos. Já as expectativas continuaram em queda, sinalizando pouca confiança na possibilidade de uma recuperação expressiva do setor no curtíssimo prazo", afirmou o ONS em seu boletim.
Pelo critério ajustado, o maior aumento da carga na comparação anual foi registrado pelo subsistema Norte, de 4,8%, seguido do Sudeste/Centro-Oeste, com alta de 1,6%, e pelo Nordeste, com mais 1,3%. Já os subsistema Sul anotou carga perto da estabilidade (+0,1%).
Na comparação com o mês anterior, a maior queda foi registrada pelo subsistema Nordeste (-7,5%), seguido pelo subsistema Sudeste/Centro-Oeste (-4,7%) e Sul (-3,9%), enquanto no Norte a queda foi de 1,6%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia