Porto Alegre, segunda-feira, 09 de setembro de 2019.
Dia do Administrador e do Médico Veterinário.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

COMENTAR | CORRIGIR

Infraestrutura

Notícia da edição impressa de 25/07/2019. Alterada em 09/09 às 09h51min

CCGL investirá R$ 500 milhões no porto do Rio Grande

o Grande do Sul, 01 de abril de 2019. 5ª edição do programa de Intercâmbio AgroBrazil, promovido pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil - CNA. Foto: Wenderson Araujo/Trilux Porto Rio Grande

o Grande do Sul, 01 de abril de 2019. 5ª edição do programa de Intercâmbio AgroBrazil, promovido pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil - CNA. Foto: Wenderson Araujo/Trilux Porto Rio Grande


WENDERSON ARAUJO/TRILUX/CNA/DIVULGAÇÃO/JC
A Cooperativa Central Gaúcha (CCGL), que opera os terminais Termasa e Tergrasa, investirá R$ 500 milhões em suas estruturas que estão localizadas dentro do complexo portuário em Rio Grande. Na tarde de ontem, representantes da companhia estiveram no Palácio Piratini, reunindo-se com o governador Eduardo Leite, para receber o aval do Estado que permitirá que os empresários deem andamento junto à União ao projeto.
"Nosso papel é ser um facilitador para que os investimentos necessários para o crescimento do Rio Grande do Sul ocorram", destaca o governador, que esteve acompanhado do secretário de Logística e Transportes, Juvir Costella, e do superintendente dos Portos do Rio Grande do Sul, Fernando Estima. A análise prévia do projeto ficou a cargo da superintendência. "Fizemos um estudo e entendemos que a proposta condiz com o ambiente logístico do porto do Rio Grande e com os planos estratégicos do governo", afirma Estima.
Com a ampliação, a capacidade de escoamento de produtos agrícolas da CCGL será quadruplicada. Atualmente, o chamado fluxo de expedição é de 1,5 mil toneladas por hora e saltará para 6 mil toneladas por hora. A capacidade de armazenagem passará de 278 mil toneladas para 778 mil toneladas.
O secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Covatti Filho, comemora o andamento do processo, pois, segundo ele, terá impacto direto em toda a economia gaúcha. "A agricultura corresponde a 42% do nosso PIB. Investir em escoamento da produção, significa ampliação dos negócios e, consequentemente, crescimento econômico", ressaltou Covatti.
O projeto prevê três anos para ser concluído, já que os navios seguirão operando durante a obra, e a expectativa é de se iniciar os trabalhos ainda neste ano. "Vamos enviar em seguida esse documento que faltava para a Secretaria Nacional dos Portos e, assim que derem o ok, vamos iniciar a obra imediatamente", adianta o presidente da CCGL, Caio Vianna.
Considerada uma das maiores cooperativas do Brasil, a CCGL tem cerca de 171 mil produtores, estando presente em mais de 350 municípios gaúchos. Para desenvolver suas atividades com maior competitividade, os associados contam com apoio de suas unidades especializadas em tecnologias aplicadas na agropecuária, logística e laticínios.
A entidade, com sede em Cruz Alta e composta por 31 cooperativas, é a operadora dos terminais Termasa e Tergrasa, responsáveis pelos serviços de recebimento, armazenagem e expedição de granéis agrícolas no porto do Rio Grande. Juntos, os terminais representam cerca de 14% das movimentações da soja nacional e 52% de todos os grãos do Rio Grande do Sul.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

EXPEDIENTE