Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 24 de julho de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

telecomunicações

Edição impressa de 24/07/2019. Alterada em 24/07 às 03h00min

Vivo e TIM vão compartilhar redes e levar 4G até cidade pequenas

A Vivo e a TIM vão compartilhar sua rede de telecomunicações em todo o País. O acordo prevê que as duas teles vão unir forças na rede 2G de norte a sul. No caso da rede 4G, a parceria entre as empresas começa em cidades com menos de 30 mil habitantes. O objetivo é reduzir custos e acelerar os investimentos em locais mais afastados dos grandes centros urbanos.
A Vivo e a TIM vão compartilhar sua rede de telecomunicações em todo o País. O acordo prevê que as duas teles vão unir forças na rede 2G de norte a sul. No caso da rede 4G, a parceria entre as empresas começa em cidades com menos de 30 mil habitantes. O objetivo é reduzir custos e acelerar os investimentos em locais mais afastados dos grandes centros urbanos.
O acordo deverá estar pronto em 90 dias e ainda precisa passar pelo aval dos órgãos reguladores. A TIM já compartilha parte de sua rede com a Oi. De acordo com Christian Gebara, presidente da Vivo, o principal objetivo da iniciativa é liberar investimentos para as tecnologias do futuro.
"Em um momento em que a demanda por dados cresce exponencialmente, buscamos uma melhora relevante na experiência do cliente, bem como a realocação de recursos para novas tecnologias como o 4G, 5G e Fibra", diz Gebara.
Pietro Labriola, presidente da TIM, lembra que "o compartilhamento de infraestrutura é a solução industrial crucial para o desenvolvimento das telecomunicações no País, visando à introdução de novas tecnologias". "Este acordo representa uma iniciativa eficiente, que aumenta a velocidade de implantação de redes, reduzindo o nível de custos e impactos", afirma Labriola.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia