Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 17 de julho de 2019.
Dia de Proteção às Florestas .

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

17/07/2019 - 18h53min. Alterada em 17/07 às 18h55min

Dólar recua ante outras divisas fortes em meio a dado dos EUA

Departamento do Comércio americano informou que construções de moradias no país recuaram 0,9% de maio para junho

Departamento do Comércio americano informou que construções de moradias no país recuaram 0,9% de maio para junho


NIKLAS HALLE'N/AFP/JC
Estadão Conteúdo
O dólar recuou ante outras moedas principais ao longo desta quarta-feira (17), após o indicador de construções de moradias iniciadas nos Estados Unidos recuar além do esperado.
O dólar recuou ante outras moedas principais ao longo desta quarta-feira (17), após o indicador de construções de moradias iniciadas nos Estados Unidos recuar além do esperado.
Próximo ao horário de fechamento das bolsas de Nova Iorque, o dólar cedia para 108,08 ienes, enquanto o euro subia a US$ 1,1227 e a libra avançava para US$ 1,2435. O índice DXY, que mede a força da moeda americana contra uma cesta de outras seis divisas principais, fechou em baixa de 0,17%, a 97,223 pontos, mas ainda acima da marca psicologicamente importante dos 97 pontos.
Nesta quarta-feira, o Departamento do Comércio americano informou que as construções de moradias iniciadas no país recuaram 0,9% na passagem de maio para junho, para a taxa anual sazonalmente ajusta de 1,253 milhões. Analistas consultados pelo Wall Street Journal esperavam queda menor, de 0,7%.
Além disso, a leitura do Livro Bege do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), sumário sobre as condições econômicas em cada uma das distritais da instituição, sustentou que há "grau moderado de entusiasmo" com a economia dos EUA, segundo os agentes econômicos consultados para a elaboração do documento. Isso deve confirmar o corte de 25 pontos-base nos juros americanos já na próxima reunião de política monetária, marcada para 31 de julho. Com a expectativa de corte de juros, a tendência é que o dólar se deprecie.
A queda verificada na moeda americana vem um dia depois das altas registradas ontem, após a divulgação do indicador de vendas no varejo dos EUA, que superou expectativas do mercado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia