Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 17 de julho de 2019.
Dia de Proteção às Florestas .

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

17/07/2019 - 09h30min. Alterada em 17/07 às 09h30min

Bolsas da Ásia fecham em baixa após comentários de Trump sobre comércio EUA-China

Estadão Conteúdo
Os mercados acionários asiáticos encerraram o pregão desta quarta-feira (17) em baixa, diante de novas preocupações relativas ao comércio entre Estados Unidos e China após comentários do presidente americano, Donald Trump. O líder dos EUA indicou que um acordo com os chineses está "longe de ser alcançado", o que gerou preocupações entre os investidores, que optaram por vender ações.
Os mercados acionários asiáticos encerraram o pregão desta quarta-feira (17) em baixa, diante de novas preocupações relativas ao comércio entre Estados Unidos e China após comentários do presidente americano, Donald Trump. O líder dos EUA indicou que um acordo com os chineses está "longe de ser alcançado", o que gerou preocupações entre os investidores, que optaram por vender ações.
"A ameaça renovada do presidente Trump de mais tarifas sobre produtos chineses fez com que os investidores se preparassem para um dia perdas nas bolsas asiáticas, acompanhando o sentimento negativo visto em Wall Street", apontaram os economistas Nicholas Mapa e Prakash Sakpal, do ING. De acordo com eles, os comentários de Trump ofuscaram as vendas no varejo e a produção industrial dos EUA, que "continuaram a indicar uma economia mais firme mesmo diante da guerra comercial".
Na China, o índice Xangai Composto fechou em queda de 0,20%, a 2.931,69 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzen Composto subiu 0,2%, para 1.574,35 pontos. O economista Elliot Clarke, do Westpac, sugere, em nota a clientes, que os dados de crédito chineses mais recentes destacaram que é preciso maior flexibilização monetária na segunda maior economia do mundo, enquanto o investimento privado permanece sendo uma preocupação significativa. "Em parte, isso se deve às circunstâncias em que a China está, com a demanda corporativa por crédito restringida pela incerteza persistente sobre as relações comerciais com os EUA", disse.
Em solo japonês, perdas nos setores de eletrônicos e de varejo fizeram com que o índice Nikkei, da Bolsa de Tóquio, recuasse 0,31%, para 21.469,18 pontos. Esses dois segmentos compensaram os ganhos em papéis ligados ao setor financeiro, que se recuperou modestamente à medida que diminuiu a especulação quanto a um afrouxamento agressivo pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano) diante de indicadores mais fortes do que o esperado nos EUA.
Em Hong Kong, o índice Hang Seng fechou em baixa de 0,09%, cotado a 28.593,17 pontos e, em Seul, o Kospi perdeu 0,91%, para 2.072,92 pontos. Já na Bolsa de Sydney, o S&P/ASX 200 avançou 0,49%, para 6.673,30 pontos, apoiado pela BHP, cujas ações avançaram 1,41%, após a divulgação do relatório de produção referente ao segundo trimestre.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia