Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 15 de julho de 2019.
Dia Nacional dos Clubes.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

15/07/2019 - 09h40min. Alterada em 15/07 às 09h40min

Economia chinesa cresce 6,2% no segundo trimestre

Resultado representa queda de 0,2 ponto percentual em relação aos 3 meses anteriores

Resultado representa queda de 0,2 ponto percentual em relação aos 3 meses anteriores


STR/AFP/JC
Agência Brasil
A China registrou o crescimento econômico mais baixo desde que o país passou a divulgar dados trimestrais de seu PIB em 1992. O Escritório Nacional de Estatísticas informou, na segunda-feira (15) que o PIB do país cresceu 6,2% no período de abril a junho em relação a um ano atrás.
A China registrou o crescimento econômico mais baixo desde que o país passou a divulgar dados trimestrais de seu PIB em 1992. O Escritório Nacional de Estatísticas informou, na segunda-feira (15) que o PIB do país cresceu 6,2% no período de abril a junho em relação a um ano atrás.
Isso representa uma queda de 0,2 ponto percentual em relação aos 3 meses anteriores. E também marca a primeira queda desde o quarto trimestre do ano passado.
Economistas dizem que os governos regionais estão cortando gastos em infraestrutura devido às dificuldades financeiras.
Eles apontam que uma queda acentuada nas exportações para os Estados Unidos enfraqueceu a produção industrial e os investimentos em equipamentos e instalações.
Afirmam, ainda, que o gasto dos consumidores também permanece baixo em alguns setores, o que inclui a compra de carros novos.
A China estabeleceu uma meta de crescimento de 6 a 6,5% para este ano. Os especialistas afirmam que o país provavelmente deve tomar medidas adicionais de estímulo se sua economia permanecer desacelerada.
Não há perspectiva de conclusão para a disputa comercial entre os Estados Unidos e a China.  
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia